Bem Vindo

- Com esta série não é pretendido fazer história, mas sim é visado, ao lado das imagens, que poderão ser úteis aos leitores, a sintetizar em seus acontecimentos principais a vida da Cidade de Porto Alegre inserida na História.
Não se despreza documentos oficiais ou fontes fidedignas para garantir a credibilidade; o que hoje é uma verdade amanhã pode ser contestado. A busca por fatos, dados, informações, a pesquisa, reconhecer a qualidade no esforço e trabalho de terceiros, transformam o resultado em um caminho instigante e incansável na busca pela História.
Dividir estas informações e aceitar as críticas é uma dádiva para o pesquisador.

- Este Blog esta sempre em crescimento entre o Jornalismo, Causos e a História.
Haverá provavelmente falhas e omissões, naturais num trabalho tão restrito.

- Qualquer texto, informação, imagem colocada indevidamente (sem o devido crédito), dúvida ou inconsistência na informação, por favor, comunique, e, aproveito para pedir desculpas pela omissão ou inconvenientes.

(Consulte a relação bibliográfica e iconográfica)

- Quer saber mais sobre determinado tema, consulte a lista de assuntos desmembrados, no arquivo do Blog, alguma coisa você vai achar.

A Fala, a Escrita, os Sinais, o Livro, o Blog é uma troca, Contribua com idéias.

- Em História, não podemos gerar Dogmas que gerem Heresias e Blasfêmias e nos façam Intransigentes.

- Acompanhe neste relato, que se diz singelo; a História e as Transformações de Porto Alegre.

Poderá demorar um pouquinho para baixar, mas vale à pena. - Bom Passeio.

Me escreva:
jpmcomenta@gmail.com





quinta-feira, 25 de março de 2010

Bairros de Porto Alegre


Mapa dos Bairros
Bem Vindo
Discriminação e história dos Bairros

1. Farrapos
***
***
Localizado na zona norte da cidade, faz divisa com os bairros Humaitá e
Navegantes. O bairro Farrapos foi oficializado pela lei nº 6218 de 17/11/1988, tendo os  seguintes limites: “ao norte, desde o limite da faixa portuária seguindo pela avenida Padre Leopoldo Bretano em toda a sua extensão; ao leste, a partir do ponto de 35 encontro das avenidas Padre Leopoldo Bretano e a A.J. Renner seguindo na extensão desta até a rua Dona Teodora; ao sul, pela rua Dona Teodora, desde a Avenida A. J. Renner até o ponto de encontro com a Dona Teodora com a rua Voluntários da Pátria,
seguindo em linha perpendicular até e no sentido do Cais Marcílio Dias; a oeste, a partir do Cais Marcílio Dias, na altura da rua Dona Teodora, daí seguindo no sentido da rua João Moreira Maciel até o limite da faixa portuária.” Mais conhecido como Vila Farrapos, o bairro é uma das regiões mais carentes da cidade. Os habitantes são de origem humilde e muitos vivem em precárias condições de moradia. Os dois principais conjuntos habitacionais da região são o Loteamento Castelo Branco e a Vila Esperança, esta última construída pelo Demhab. A ocupação da região está ligada ao processo de crescimento populacional de Porto Alegre.
Bairro essencialmente residencial, possui um posto de saúde para seus habitantes e um pequeno comércio de gêneros alimentícios.
De acordo com dados do Censo do IBGE de 2000 conta com uma população de 17.019 habitantes distribuídos em uma área de 165 hectares.
O bairro Farrapos até a Copa do Mundo de 2014 passará por grande transformação, superando todas as adversidades atuais de 2010.

[
2. Humaitá
O bairro Humaitá foi oficialmente criado pela lei n.º 6218 em 17/11/1988.
***
***
Localizado na Zona Norte da capital, limita-se ao sul com bairro Navegantes e, ao norte, com o município de Canoas. Originalmente uma zona de aterro sanitário, caracteriza-se por ser uma região essencialmente residencial, dispondo de pequeno comércio que atende aos moradores locais.
***
A partir dos anos de 1960, os problemas da cidade se ampliam, juntamente com o constante aumento populacional trazendo problemas como habitação, transportes e infra-estrutura, que necessitavam de projetos de integração. É neste contexto que a expansão para a zona norte/nordeste da capital torna-se mais efetiva, já que os custos de moradia eram mais acessíveis em função da distância do centro.
***
***
O Humaitá foi um dos setores residenciais projetados pela iniciativa privada nos anos de 1970, com o objetivo de responder aos problemas de habitação da cidade. A ocupação dessa área aconteceu ao longo dos anos 80 do século passado, bem como a 45 ampliação dos edifícios residenciais. Os primeiros prédios construídos no bairro eram de quatro andares, sem elevadores, e contavam em seus projetos com a concentração de equipamentos recreativos na forma de parque urbano. Posteriormente, os prédios construídos eram maiores com dez andares e elevadores.
***
O bairro Humaitá também foi atrativo para o ramo imobiliário no final dos anos 1990 e início 2000: algumas empresas da construção civil viram o potencial residencial que o bairro apresentava, sobretudo para a classe média. Novos condomínios começaram a ser construídos na região aumentando significativamente o número de moradores que, de acordo com o Censo de 2000, já contava com uma população de 10.470 habitantes, distribuídos em uma área de 417 hectares.
***
Quanto a opções de lazer, o bairro dispõe principalmente do Parque Marechal
Mascarenhas de Moraes, inaugurado em 2/7/1982, com 18,2 hectares. Com uma área de lazer e recreação, e outra considerada de preservação permanente, é um parque de uso misto. O local dispõe de estádio de futebol, cancha de bocha, pista de patinação, quadra de futebol sete, quadras de vôlei e equipamentos esportivos, churrasqueiras e quiosques cobertos, sendo bastante freqüentado pelos moradores do bairro.
Atualmente está em construção no bairro o novo estádio do Gremio, a Arena e grandes condominios residenciais.
A ligação da Terceira Perimetral com Freeway, gerou a necessidade de um viaduto sobre a av. Farrapos e assim a ligação com o bairro Humaitá.
[
3. Anchieta 
Localizado à direita da estrada federal BR 116 em direção à Canoas, entre o
Aeroporto e a cidade Gravataí, o bairro Anchieta foi oficializado pela lei nº 2022 de 0/12/1959, tendo seus limites assim estabelecidos: da Estrada Federal para Canoas, limite desta pelo Bairro São João ao sul; no leste com uma linha imaginária até a divisa com o rio Gravataí, por este na direção leste/oeste até encontrar novamente a Estrada Federal e por esta em direção norte-sul até encontrar o limite com o Bairro São João.
***
***
Sua denominação, segundo o cronista Ary Veiga Sanhudo, é em referência ao
Padre Anchieta, fundador do colégio São Paulo, na região que, mais tarde, constituiu o núcleo inicial da capital paulista. Na década de 1970, o bairro era considerado um lugar novo, em formação na cidade, e o mesmo cronista assim o descrevera: “ Anchieta é bairro na lei, loteamento no aspecto e grama em toda a sua extensão.” Essa descrição é feita em virtude da escassa população que residia na região, como o é ainda hoje. A baixa densidade talvez seja em função de situar-se em zona baixa da cidade, que não oferecia atrativos que motivassem a ocupação imediata pois, sob ponto de vista da urbanização prevista para cidade no Plano Diretor, encontra-se abaixo da cota de construção.
***
A partir de 1973, instala-se no bairro a CEASA - Centrais de Abastecimento do
RS, na Av. Fernando Ferrari , 1001, quando produtores e atacadistas foram transferidos da Praia de Belas para o bairro, dando início à fase de comercialização no complexo.
***
***
A principal via de acesso ao bairro é a avenida dos Estados, que encontra
registros nos relatórios da Secretaria de Obras Públicas do Estado desde início do século XX. A preocupação com a pavimentação da avenida iniciou em 1912, porém as obras começaram em 1925, sendo construída a primeira faixa de cimento no ano de 1930. O nome da avenida foi oficializado em 1960 pela lei municipal nº 2076.
O bairro Anchieta possui características industriais, além de ali estarem
instalados armazéns e grandes depósitos.
[
4. Área não cadastrada (área reservada para ser o novo Centro Comercial planejado de Porto Alegre, um bairro completo)
[
5. Navegantes
O Bairro Navegantes é um dos mais antigos da cidade. Sua localização já era nítida nas plantas da cidade no final do século XIX. As origens e ocupação da região estão ligadas ao trajeto para as colônias alemãs a partir 1824 e, em meados do século XIX, a ocupação do bairro já era digna de nota.
Desde seu início, o bairro Navegantes já demostrava sua importância devido à
***
Vista década de 1950 
***
ligação que fazia entre o Centro da cidade e a região de imigração (vale do Rio dos Sinos), além da antiga Estrada de Baixo em direção a Gravataí, Santo Antonio e Osório.
Em 1874, houve a implantação da Estrada de Ferro Porto Alegre – Novo Hamburgo, o que dinamizou bastante o bairro, sobretudo após a inauguração da primeira Estação Navegantes, por volta de 1886.
***
Junto ao Colégio 1º de Maio
***
Ainda no século XIX, a região revelou-se com forte vocação industrial, e
***
especialmente a partir de 1890, quando várias indústrias da Capital instalam-se no bairro. O crescimento industrial contribuiu para o aumento da população, pois seus moradores, em sua maioria operários, passaram a habitá-lo em função da proximidade com seus locais de trabalho.
Em 1875, é criada a capela consagrada a Nossa Senhora dos Navegantes,
devoção introduzida pelos imigrantes portugueses poucos anos antes. No entanto, a 72 construção da capela só ficou pronta em 1897, erguida em terreno doado pela senhora Margarida Teixeira de Paiva, dona de vastos terrenos na região. A capela foi elevada a condição de Paróquia em 1919, já na sua atual sede.

Em frente à Igreja, está localizada a Praça Navegantes, onde é realizada uma das maiores expressões religiosas da cidade: de acordo com a fé católica, é comemorado no dia 2 de fevereiro a devoção a Santa Padroeira da Capital – Nossa Senhora dos Navegantes.
***
***
Um dos grandes impactos urbanísticos para a região do bairro Navegantes foi a construção da ponte sobre o Rio Guaíba, inaugurada em 1958. Com a nova edificação, a tradicional Praça Navegantes ficou em baixo de uma das elevadas, mas se manteve centro dos festejos realizados anualmente em honra da Santa Padroeira.
***
Oficialmente, o bairro Navegantes foi criado pela lei nº 2022 de 07/12/1959, sendo seus limites oficiais assim estabelecidos: rua Voluntários da Pátria, da esquina da Av Brasil até o seu prolongamento por uma linha na direção oeste/leste, seguindo a margem atual do rio até encontrar a rua Dona Teodora; desta até a Praça do Bombeador; deste segue pela avenida Ceará até a avenida Brasil; desta até encontrar novamente a rua Voluntários da Pátria. Porém em 1988 o decreto de lei nº 6218 altera os limites norte do bairro que passa a ser definido a partir do Cais Marcílio Dias no sentido até o ponto de encontro das ruas Voluntários da Pátria e Dona Teodora.
***
Atualmente, a região mantém seu caráter industrial, entretanto ampliou o setor de serviços. No bairro está localizado um dos maiores centros comerciais da cidade, o Shopping DC Navegantes, que atende tanto aos moradores do bairro quanto à redondeza, com seu comércio, restaurantes, teatro e, mais recentemente, um campus de faculdade gaúcha.
***
[
6. São João 
***
Av. Assis Brasil
***
[
7. Jardim São Pedro
[
8. Jardim Floresta 
[
9. Sarandi 
[
10. Rubem Berta
***
  Eixo Baltazar - Jardim Leopoldinha
***
[
11. São Geraldo 
***
***
[
12. Santa Maria Goretti 
[
13. Higienópolis
[
14. Passo da Areia 
IAPI - 1963
***
[
15. Vila Ipiranga 
[
16. Jardim Itu - Sabará 
***
***
[
17. Passo das Pedras 
[
18. Mario Quintana 
[
19. Floresta 
HISTÓRICO - FLORESTA
***
Hospital Militar - início século XX
***
Foi pela Estrada da Floresta ( atual av. Cristóvão Colombo ), que tudo começou, “ ligando o centro ao longínquo morro coberto de densa vegetação arbustiva, verdadeira mata virgem...” Com o tempo, esta floresta foi virando lenha para os fogões domésticos ou servindo de matéria-prima para madeireiras da região. Assim, o morro foi sendo pelado, a estrada habitada e o bairro se gerando.
***
Década de 1920
***
Em 1849, no topo do morro ainda bastante arborizado, construiu-se um prédio que em dezembro do mesmo ano, inaugurou um hospital, a Casa de Saúde Bela Vista. Mais de cinqüenta anos depois, em 1903, o hospital foi adquirido pelo Exército para tornar-se o Hospital Militar da Terceira Região - FGPA, não pertencendo mais aos limites do bairro Floresta, mas que ao seu tempo, contribuiu para o desenvolvimento urbano de toda aquela região.
***
A instalação de um hospital por aquelas terras gerou a necessidade de abrir-se vias de acesso. Assim, ano após ano, via-se surgindo em torno da Estrada da Floresta e demais vielas, casas e, logo em seguida, algumas pequenas fábricas, principalmente madeireiras e serralherias. Logo surgiu ali um espírito de comunidade, e com ele a inspiração de se ter uma igreja.
Em 1888 foi construída a Igreja de São Pedro, legitimando o processo de desenvolvimento comunitário do bairro.
***
Av. Cristovão Colombo com av. Benjamin Constant - década de 1960
***
Ainda por esse tempo, o único acesso com a cidade era a Estrada da Floresta, isolando a região do centro da cidade. Com a construção da igreja, em terreno doado por uma senhora muito religiosa, Dona Carmen, a urbanização da região toma novo impulso e já pelo início deste século vê-se alguns bondinhos passar por lá. É então que o nome da estrada principal se espalha e estende-se a todo território, inspirando o surgimento do bairro Floresta.
***
Desde o final do século passado, observa-se a tendência industrial da região, abrigando, entre outras, a Bopp, Sasse, Ritter e Cia. LTDA., onde hoje é a Brahma. Nesta cervejaria fabricou-se as famosas Continental e a Elefante, que a seus tempos foram as melhores cervejas que se tinha.
***
***
Não demorou muito para que os funcionários destes inúmeros postos de serviço, construíssem suas casas pelas redondezas de suas fábricas.
Em 1925 o bairro é remodelado, modernizando sua estrutura.
Hoje, conta com grande variedade comercial, preserva ainda algumas de suas indústrias e não deixou de ser residencial.
Outras igrejas foram erguidas, católicas e protestantes, respeitando a homogeneidade de seus moradores.
[
20. Moinhos de Vento 

Vista, início século XX
***
Lago Chácara Mostadeiros
***
Hydráulica Municipal
***
[
21. Auxiliadora 
HISTÓRICO - AUXILIADORA
***
Através da Estrada da Aldeia ( atual av. 24 de Outubro ), que ligava a capital à Freguesia da Aldeia dos Anjos, conhecida hoje como Gravataí, a região que compreende o bairro Auxiliadora começou a se desenvolver. Isto lá pelas últimas décadas do século passado.
***
É com a instalação de moinhos de vento, aos arredores da cidade, nas propriedades do então conhecido Carlos Mineiro ( Antônio Martins Barbosa ), que a Estrada da Aldeia passa a ser mais freqüentada. Logo seu nome é adaptado a sua atual função, passando a chamar-se Estrada dos Moinhos de Vento.
***
Crescendo lentamente, o bairro ganha novo impulso em 1893, quando uma linha de bonde cruza suas terras. No ano seguinte é a vez do Prado da Independência a levar à região mais visitantes e possíveis moradores. E num ritmo mais acelerado, com sucessivas implantações de linhas de bonde e novas construções no local, o Auxiliadora vai tomando ares de bairro.
***
Em 1912/13 inicia-se o processo de loteamento das terras daquela região, acrescentando valor imobiliário ao território já bastante conhecido. Poucos anos depois, em 1916, é erguida a capela de Nossa Senhora Auxiliadora, batizando o local com seu nome. A capela tornou-se paróquia em 1919 e, mais de quarenta anos depois, em 1961, inaugura-se o novo prédio da Igreja; em estilo greco-romano, ele imita o templo francês Madeleine de Paris.
***
Foi em 1933 que a estrada Moinhos de Vento mudou seu nome para o atual, 24 de Outubro. “ ... em homenagem à data do golpe militar que depôs o Presidente Washington Luís Pereira de Souza, em 1930. “ Nesta época já eram bastante os transportes públicos que se dirigiam ao local e denominavam sua linha de “ Auxiliadora “, reafirmando o nome e o bairro.
***
Tem como uma de suas características as ruas planejadas, herança de sua ocupação por meio de loteamento organizado. Estas ruas trazem a sua paisagem, um misto de casas antigas, da nostálgica época do início do século, e modernos edifícios, que buscam nas alturas uma melhor vista da cidade.
***
Em contraste com a boa infra-estrutura, que permite ao bairro ter um comércio variado, ele oferece a seus moradores uma tranqüilidade hospitaleira, quase esquecendo de sua proximidade ao centro da cidade. Em permanente processo de desenvolvimento, o bairro Auxiliadora oferece à juventude porto-alegrense uma variedade considerável de bares e danceterias. Há também alguns dos restaurantes mais “ chiques “ da cidade, onde paladares exigentes podem apreciar deliciosos pratos internacionais. Tem diversão para todas as idades e gostos.
Historiadora Renata Ferreira Rios
[
22. Boa Vista 
[
23. Centro
O CENTRO e a história da capital dos gaúchos
***
Vista do Centro - 1906
***

A origem do Centro

     
Oficialmente contando com uma população de quase 37 mil moradores, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Bairro Centro foi criado e delimitado pela Lei 2.022, de 1959, mas sua origem remonta os primórdios da ocupação de Porto Alegre. Com seu povoamento e desenvolvimento, em função da criação da freguesia Nossa Senhora da Madre de Deus de Porto Alegre em 1772, possui íntima ligação com a Rua dos Andradas que, ainda hoje, é chamada de Rua da Praia, sua primeira denominação. E foi nela, a mais antiga da cidade, que se estabeleceu a primeira capela da Vila com invocação de São Francisco. A abertura das atuais ruas Riachuelo e Duque de Caxias, formavam, junto com a Rua da Praia, as principais vias da Vila, onde se assentaram as mais antigas residências e casas comerciais. Os arrabaldes mais próximos, como a atual Cidade Baixa, eram considerados zonas rurais.

A peculiar denominação de logradouros antigos do Centro é o fato de fazerem referência a alguma característica que possuía, como a Rua do Arvoredo (atual Fernando Machado), a Rua do Riacho (atual Washington Luis), a Rua da Varzinha (atual Demétrio Ribeiro), o Beco do Fanha, depois denominada Travessa Paysandu (atual Caldas Júnior), a Rua do Poço (atual Jerônimo Coelho), entre outras.
A antiga e tradicional Rua Duque de Caxias teve mais de uma denominação, conforme diferentes registros: Rua Formosa, Rua Direita da Igreja, Rua Alegre e Rua da Igreja. Mas o primeiro nome oficial foi o de Rua da Igreja, por ali localizar-se o único santuário da cidade. Foi, por anos, a rua mais nobre da cidade, residindo ali políticos, comerciantes e militares de altas patentes em luxuosos sobrados e solares das famílias aristocráticas da cidade, como o Solar dos Câmaras, mais antigo prédio residencial de Porto Alegre. Nos "Altos da Praia"  foi construída a Igreja da Matriz, atual Catedral Metropolitana e a Praça Marechal Deodoro, mas conhecida como Praça da Matriz. Abriga, ainda, os prédios dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, e o Teatro São Pedro, o mais antigo da cidade, concluído em 1858.
Rua Riachuelo também teve outras denominações, como Rua do Cotovelo, nas proximidades do Teatro São Pedro, e Rua da Ponte. Suas primeiras residências remontam ao ano de 1788. Típica rua de zona central, nela residiam pessoas ligadas à classe dirigente.      
As igrejas do Centro são também locais que nos remontam a histórias e costumes de seus habitantes. A Catedral Metropolitana teve sua primeira edificação em 1794, porém só foi finalizada no século XIX, com a construção de suas duas torres em 1846. No ano de 1915, o arcebispo Dom João Becker inicia estudos preliminares para a construção da grande Catedral, cujas primeiras obras iniciam em 1920, e a finalização da nova Igreja da Matriz, no seu estilo Romano Renascentista, ocorreu em 1972, com a conclusão da cúpula. Mas, somente em 1986, ela é inaugurada e dada por concluída. A Igreja Nossa Senhora dos Dores, na Rua dos Andradas, é a mais antiga da cidade, e sua construção pela irmandade Ordem Terceira Nossa Senhora das Dores, remonta a 1807, somente sendo concluída em 1904.
A primeira edificação da Igreja Nossa Senhora do Rosário, localizada na Rua Vigário José Inácio, em estilo barroco, foi realizada entre os anos de 1817 e 1827, pela Irmandade Nossa Senhora do Rosário, confraria de negros livres e escravos, cumprindo importante papel, durante todo o século XIX, na vida de pessoas dessa comunidade. Sob alegação de não comportar seus fiéis, em 1950 a Mitra Arquidiocesana mandou demolir o prédio, erigindo a atual sede da Igreja.
No chamado paralelo 30, na Praça Montevidéo, está implantado o Paço Municipal, sede da Prefeitura de Porto Alegre, iniciada em 1898. Em frente ao prédio está a Fonte Talavera, doada pela comunidade espanhola através da “Sociedade Espanhola de Socorros Mútuos”, em homenagem ao centenário da Revolução Farroupilha. Do outro lado da Avenida Borges de Medeiros está o Mercado Público Central, edificado pela primeira vez em 1844, como espaço de comercialização e sociabilização da população.
No ano de 1870 foi inaugurado o novo prédio. O Mercado Público sempre teve importante papel para cidade: além de seu comércio, durante o século XIX era o local onde circulavam as últimas notícias do Brasil, devido ao intenso fluxo de pessoas, sobretudo em função do Porto. Seus bares também eram referências para encontros, principalmente pela boemia da cidade. No térreo do Mercado encontra-se o mais antigo bar da cidade, O Naval, onde se pode encontrar uma boa parte da memória da cidade. O atual prédio do Mercado, no Largo Glênio Peres, possui a mesma aparência externa, mesmo após o incêndio de 1912 e da construção do segundo piso, no ano de 1913, na administração republicana do Intendente José Montaury. Sua restauração foi inaugurada em 1997.
Avenida Borges de Medeiros, outro logradouro importante que atravessa a área central, teve sua obra iniciada na segunda década do século XX, na administração do intendente Otávio Rocha. O projeto incluía a construção do Viaduto Otávio Rocha, primeiro viaduto da cidade. As obras foram concluídas na década de 1940, na administração de José Loureiro da Silva. Nesta administração o centro da cidade começou a adquir, cada vez mais, características das modernas cidades do século XX, com suas amplas avenidas e arranha-céus.
O Centro dispõe dos mais diversos e variados serviços e entretenimento, sobretudo ligados às atividades histórico-culturais. Na Rua Duque de Caxias está localizado o Museu Júlio de Castilhos - instituição cultural criada por decreto estadual, em 1903 - com caráter de museu antropológico, artístico e histórico. O prédio, em estilo neoclássico, foi residência do presidente do Estado do Rio Grande do Sul, Julio de Castilhos até o ano de 1905, quando foi adquirido pelo Governo Estadual para abrigar o Museu. 
Na Rua dos Andradas, encontramos, entre outros:

Antecedentes históricos

A origem do Centro urbano de Porto Alegre confunde-se com a própria origem da cidade. Isto porque foi exatamente neste sítio, habitando por indígenas de diversas raças como Charruas, Tapes e Guaicanãs, até 1700, que se originou o processo de colononização. Com o avanço paulista em direção ao Sul, a fundação de Lages em 1684, Viamão em 1730 e da Colônia do Sacramento, abre-se o caminho ao comércio e ao surgimento das cidades. Os bandeirantes dividem entre si as terras da região, cabendo a Jerônimo de Ornelas uma sesmaria às margens do Guaíba, cuja área aproximava-se a do atual Município de Porto Alegre. A posse desta área foi reconhecida em carta oficial em 1740, data considerada como a de origem da nova cidade. 
As primeiras manifestações urbanas ocorreram na Praia do Arsenal, conhecida como Ponta da Cadeia, com a construção dos primeiros prédios públicos: Casa da Câmara do Governador, Cadeia e Forca, esta última fronteira ao desembarcadouro.
A partir deste ponto são estabelecidas ligações através de caminhos, com a localidade de Viamão e os aldeamentos índios, primeiro esboço da futura estrutura viária urbana. Considerando os condicionantes históricos, políticos e econômicos da época, como as lutas entre Portugal e a Espanha pela conquista de territórios, compreende-se o rápido desenvolvimento ocorrido, em detrimento de outros núcleos contemporâneos.  Efetivamente, a posição geográfica de Porto Alegre foi decisiva na questão militar e adequada ao comércio nos momentos de paz. O próprio governo português, reconhecendo esta posição previligiada, enviou famílias de Açorianos para a nova localidade.
No período colonial, o desenvolvimento do núcleo era caracterizado pelo crescimento ao longo do rio, a partir da Ponta da Cadeia na direção leste e paralelo ao cais. A encosta norte do promontório favorecia as embarcações e ali eram realizados os contatos com o exterior. Naturalmente situaram-se nesta zona as principais atividades comerciais e residenciais, sendo que a encosta sul não possuia valor. Ainda neste período foi criado o segundo centro cívico na parte mais elevada da colina, no entorno da Praça da Matriz, com a edificação da Catedral e o Palácio do Governo.
No ano de 1773 as muralhas, paliçadas de madeira, foram construídas ao longo da Rua da Conceição, Praça do Portão, Sarmento Leite, Praia de Belas, servindo, durante 100 anos, de anteparo ao desenvolvimento em direção ao continente. No aspecto urbano, o período colonial  é caracterizado, fundamentalmente, pelo preenchimento dos vazios no interior das muralhas. Fora delas há o plantio, fundamentalmente de trigo, um pequeno comércio e o artesanato. A situação de crescimento intra-muros acentuou-se, ainda mais, no período Imperial, com o advento da Revolução Farroupilha (1835/45). Há uma atrofia no crescimento urbano e um adensamento desproporcional na área Central, originando as bases polarizadoras do futuro.
Mesmo com a chegada dos imigrantes com tradição manufatureira e o rompimento das muralhas, em termos de crescimento territorial urbano, a valorização da área central permanece. Efetivamente quase a totalidade dos edifícios públicos e comerciais foram construídos nesta área, atraindo a população que ocupava, gradativamente, as cristas e os vales, porque ali ocorriam as suas atividades principais.

Os primitivos caminhos foram trasnformados em avenidas que, por sua vez, geraram as vias secundárias. Todo esquema assim disposto converge para o centro urbano que, fisicamente, não tem possibilidade de se expandir, a não ser verticalmente. Aquela qualidade primitiva do promontório que dominava as planícies ao sul e o estuário do Guaíba, desaparecida a questão militar, e abertos novos caminhos para o Interland, tornou-se um fator de anomalia para o desenvolvimento da área central. Agora, o pólo principal está geograficamente excêntrico à cidade, asfixiando suas atividades pelo adensamento violento de uma pequena área que preservou a mesma estrutura do período colonial com uma população várias vezes maior.
***
Referências:
Proposições para a Área Central de Porto Alegre. Prefeitura Municipal de Porto Alegre. 1971
"Expediente Urbano de Porto Alegre", engenheiro e urbanista Edvaldo Pereira Paiva. 1942
Centro de Pesquisa Histórica - Coordenação de Memória Cultural da Secretaria Municipal de Cultura
FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre: Guia Histórico. 2º edição. Porto Alegre: Ed Universidade/UFRGS, 1992.
***
O Centro é a área de Porto Alegre que, por sua antigüidade, concentra a maior parte dos marcos históricos da Capital.
Um passeio pelas suas ruas permite reconstruir a história da cidade de Porto Alegre e do estado do Rio Grande do Sul.
***
Largo dos Medeiros - 1920
***
Na Praça Marechal Deodoro (Praça da Matriz), começou a história de Porto Alegre, com a sua primeira igreja. Ali também teve início a Revolução Farroupilha, graças ao exaltado pronunciamento feito por Bento Gonçalves na Assembléia Legislativa.
***
Década de 1940
***
Pela Rua da Praia (rua dos Andradas) desfilaram as tropas gaúchas que participaram das maiores revoluções do país — como a Revolução de 30 (1930).
***
Na praça da Alfândega, o cais do porto marcava o ponto de contato do Estado com o resto do país e do mundo: até a década de vinte deste século, a navegação de cabotagem era o principal meio de transporte de cargas e passageiros. Na rua Professor Annes Dias, a Santa Casa de Misericórdia é um marco de quase dois séculos da medicina no Estado.
***
Essas histórias — e as estórias dessa história — estão traduzidas nos diversos edifícios do Centro. Há um precioso patrimônio arquitetônico a ser preservado. E que, por sua vez, é muito pouco conhecido pelos próprios moradores da cidade.
***
Na fachada da Biblioteca Pública há um raríssimo calendário positivista. E, no seu interior, salas cujas decorações homenageiam culturas tão diversas como a egípcia e a mourisca.
***
No cimo do Paço Municipal (a prefeitura velha), uma estátua da Justiça contempla os porto-alegrenses. Essa é uma das raríssimas estátuas da Justiça, no mundo, que não tem os olhos vendados — mas poucos sequer a vêem.
***
Na rua General Câmara (rua da Ladeira), na esquina com a rua dos Andradas (rua da Praia), um prédio em estilo art noveaux resiste, intacto, ao tempo.
Sua porta, altamente ornamentada, sobrevive a consecutivas camadas de pintura com a mesma beleza que tinha quando foi inicialmente esculpida.
***
Exemplos como esse se multiplicam, em locais como a Praça Senador Florêncio (atual Praça da Alfândega), onde o Banco Safra ocupa um conjunto arquitetônico formado, antigamente, por uma farmácia Carvalho e o cinema Guarany, o Museu de Artes do Rio Grande do Sul (MARGS) e o prédio do Correio (correio velho, visto que há um correio novo logo atrás) atual Memorial do RGS, formam um dos mais conhecidos cartões postais da cidade.
***
O próprio nome das ruas, praças e prédios se constitui em uma história à parte. O Centro é o lugar onde as denominações originais das principais ruas e praças se mantêm intactas, graças ao uso popular.
A Rua da Praia, a mais central, é, na verdade, a Rua dos Andradas.
***
E é no Centro que está "A Paineira", assim denominada e aceita por todos os habitantes em uma cidade em que há milhares de paineiras, e que é um ponto de referência da rua Siqueira Campos.
***
Por outro lado, é no centro que se encontram alguns dos principais locais de irradiação cultural da cidade. Basta lembrar que ali estão o Museu Júlio de Castilhos, a Casa de Cultura Mário Quintana, a Usina do Gasômetro, a Biblioteca Pública, o Museu de Artes do Rio Grande do Sul, o Memorial, Museu Hipólito José da Costa, Santander Cultural, Praça dos Poderes (Praça da Matriz), Paço Municipal e o Museu da Companhia Estadual de Energia Elétrica.
[
24. Independência 
Vista rua Esperança, (atual Miguel Tostes) e rua Independência
***
[
25. Rio Branco
HISTÓRICO - RIO BRANCO
***
Início século XX
***
Originariamente, onde hoje é o Rio Branco, localizava-se, no século XIX, uma das “Colônias africanas” que existiam em Porto Alegre. Abrigando escravos alforriados e, mais tarde, os libertos pela Lei Áurea, a região, longe de ser o bairro agradável que encontramos hoje, não era muito bem vista pela população da cidade, talvez por causa da pouca urbanização no local, que misturava casas e ruas a matos e macegas.
***
Diferenciando da maioria dos bairros da cidade, o Rio Branco não se desenvolveu ao redor de uma igreja, apesar ter uma capela, a de Nossa Senhora da Piedade, desde 1890. Isso deve-se, principalmente, pela população caracterizar-se por escravos, de origem africana, que costumavam praticar cultos trazidos de sua terra natal.
***
Beirando o Caminho do Meio (atual Protásio Alves), a área se limitava a meia dúzia de ruas, que se chamavam na época: rua Boa Vista (Cabral ), rua Casemiro de Abreu, rua Castro Alves, rua Venâncio Aires (Vasco da Gama), rua Liberdade e, mais tarde, rua Esperança (Miguel Tostes). Estas poucas ruas, nas noites quentes do verão, atraiam, misteriosamente, “a malandragem da bacia do Mont’Serrat, do outro lado, e sitiava a praça para melhor farrear.”
***
A rua Esperança foi a que primeiro contribuiu para o desenvolvimento do Rio Branco. Provavelmente, a rua deve o seu nome à maior proprietária de terras dali, que aos poucos foi estruturando o bairro a medida que ia loteando suas terras. A este tempo, o local começa a se transformar, deixando de ser Colônia africana, abrindo espaço para novos moradores e se estendendo, cobrindo quase toda a região que hoje lhe pertence. Entre esses novos moradores vieram os judeus, que espalhados também pelo Bom Fim, construíram Sinagogas na região, dando assim uma característica marcante aos dois bairros vizinhos.
***
É então que vê-se necessária a mudança do nome, surge assim a idéia de homenagear o Barão do Rio Branco, chanceler da República, pela sua morte em 1912 . A partir deste momento se desenvolvendo como área residencial. Hoje é um bairro de comércio próspero, bom para se morar mas também para se divertir. Tem uma das noites mais agitadas da cidade.
[
26. Mon't Serrat
HISTÓRICO - MON'T SERRAT
***
Início século XX
***
Um dos bairros mais jovens de Porto Alegre, seu início dá-se por volta de 1910. É neste ano que ergue-se a Igreja de Nossa Senhora da Auxiliadora, ao lado da que hoje habita a rua 24 de outubro, que torna-se o ponto referencial para a formação e desenvolvimento do local, bem como do seu vizinho, o Auxiliadora. Mas é só em 1913 que uma empresa, a Cia. Predial e Agrícola, começa a lotear as terras localizadas á rua Dr. Freire Alemão.
***
Nesta época, já se espalhavam alguns aventureiros que decidiram por lá morar. Era pelos valões da antiga rua Álvaro Chaves, atualmente, Arthur Rocha. Mas a rua mas antiga das redondezas era a Moinhos de Vento. Cruzava os bairros Independência, Moinhos de Vento, Auxiliadora e costeava o Mont Serrat, hoje conhecida como rua 24 de outubro.
***
Mesmo a Igreja sendo sua referencia central, o bairro mantinha o status de
“ zona temível “. Era assim por abrigar uma certa malandragem da cidade, a mesma que sitiava o bairro Rio Branco, e lá aprontavam as desordens.
***
***
Há duas versões distintas para a origem do nome, um tanto quanto exótico para a cidade. A primeira versão “ é referência à famosa montanha da Catalunha, nas proximidades de Barcelona, sede do Mosteiro de Beneditinos onde se venera Nossa Senhora de Mont’Serrat. “
***
Já na segunda versão, o tema é brasileiro mesmo e parece dever-se ao “ cerro que existe na cidade de Santos, em São Paulo...Provavelmente, quem batizou o nosso Mont Serrat, naquela época, está claro, deve ter encontrado alguma semelhança entre o monte santista e a colina do além Moinhos de Vento.”
***
Diferente dos tipos que o habitavam naqueles tempos, hoje o bairro é moderno, agradável, de bons ares e belas vistas. Seu comércio, como a empresa imobiliária, vem crescendo, e transformando o bairro num dos mais valorizados da cidade.
[
27. Bela Vista 
[
28. Três Figueiras 
[
29. Chácara das Pedras 
[
30. Vila Jardim 
[
31. Petrópolis
HISTÓRICO - PETRÓPOLIS
***
A origem do bairro Petrópolis remonta à década de 1920. Ocupado inicialmente por chácaras, cujas áreas eram tomadas por laranjais, o bairro desenvolveu-se a partir do eixo viário conhecido como Caminho do Meio: assim chamado por localizar-se entre duas outras estradas rurais que saíam de Porto Alegre em direção aos atuais municípios de Viamão e de Gravataí. Tal caminho, hoje, corresponde à Avenida Protásio Alves.
Com zonas de alta e baixa altitudes, o bairro tornou-se famoso por seu clima ameno e por suas colinas verdejantes (uma área na qual se realizavam, ainda na década de 1930, manobras e exercícios militares). Foram esses aspectos naturais que atraíram setores de classe média em ascensão, responsáveis pela povoação do local. Em 1937, a criação da linha de bondes Petrópolis, pela Companhia Carris, teve o efeito de consolidar esta ocupação. Sérgio da Costa Franco salienta, contudo, que o bairro “tinha suas gradações: era modesto ... de um modo geral, em todas as áreas de baixa altitude, mas valorizado e até opulento ... em suas construções das áreas altas”.
***
Década de 1960
***
A origem da denominação do bairro é incerta. Supõe-se que tenha sido uma homenagem à cidade do Rio de Janeiro, por parte dos colonos alemães que já ocupavam a região desde o início do século. Dentre estes primeiros habitantes destaca-se a figura de Willing Kuss, proprietário de terras responsável por uma série de loteamentos que deram início ao processo de povoamento do Petrópolis.
***
Uma característica do bairro são os nomes de vias públicas que homenageiam municípios gaúchos. Vale lembrar as ruas Carazinho, Bagé, Taquara, Montenegro, Lajeado, entre outras. Até o fim da década de 1930, também as mulheres eram homenageadas: ruas eram chamadas de Dona Marta, Dona Paula, Dona Inês, Dona Adélia e outras. Boa parte dos antigos nomes foi alterada, em 1939, substituindo-se as “donas” por generais, juristas e médicos. Os nomes femininos nas ruas, segundo Ary Veiga Sanhudo, representavam “a preponderância da presença da mulher na vida silenciosa das localidades perdidas e abandonadas”. Alguns nomes, no entanto, permaneceram: é o caso das ruas Dona Eugênia, Dona Alice e Dona Lúcia.
***
A expansão do bairro foi concluída nas décadas de 1940 e 1950, quando o desenvolvimento urbanístico e o aumento populacional foram intensificados. Atualmente, Petrópolis é uma localidade independente do centro da cidade, com um comércio ativo e variado que se estende ao longo da Avenida Protásio Alves.
[
32. Praia de Belas
HISTÓRICO - PRAIA DE BELAS
***
Vista década de 1960
***
Bairro atípico de Porto Alegre, o Praia de Belas foi planejado em todas as dimensões. Fruto da boa vontade do Guaíba, em outros tempos, quase toda sua extensão era o Rio. Mas a história do bairro inicia antes; começa por uma rua, que de tanto crescer e atrair moradores, pediu licença ao rio, apoio de alguns políticos e muita terra, para então transformar-se em bairro.
***
Com enchente
***
Lá por 1800, um senhor chamado Antônio Rodrigues Belas tinha como sua propriedade uma chácara à beira do Rio Guaíba. Como acesso ao centro da cidade, o morador construiu uma estrada e que aos poucos tornou-se de freqüente passagem em vistas do comércio de escravos que lá se desenvolveu, “...quando alguém tinha algum negócio ou precisava fazer qualquer referência sobre essa zona, logo dizia - fica lá na praia do Belas.” Esta é uma das versões para a origem do nome, sendo a mais acolhida pelos historiadores locais. Contudo, o que sabemos é que a radial existe desde 1839 e dela o bairro herdou o nome.
***
A partir daí, começa a se configurar o interesse populacional em construir um bairro que usufruísse a beleza do rio. São construídas algumas casas ao longo da estrada, ainda mal traçada, mas que aos poucos toma formas mais definidas e vai se aproximando do que é hoje.
***
É com a construção de um cais de pedra, em 1870, que os olhos da cidade voltam-se para a região. Nesse momento, a população que reside na estrada Praia de Belas começou a crescer, tornando-se necessária a formação e sua expansão.
***
Foz do Arroio Dilúvio
***
Finalmente, em 1960, se concluem as obras para o aterro do Rio Guaíba e dali nasce o bairro de nome agradável e uma das mais belas vistas da cidade, “...ali está o rio, magnífico e encantador, quer pela sua maravilhosa luminosidade nas manhãs outonais ou primaveris, quer pelo seu formoso e colorido entardecer."
***
Ainda em desenvolvimento, o Praia de Belas luta para se afirmar, se diferenciando dos arredores, assumindo sua identidade. Atualmente abriga muitos prédios públicos, que roubam do Guaíba a sua melhor imagem, parques e, como não falar, o Estádio Beira Rio e o Gigantinho, que em dias de futebol agita a torcida colorada do bairro ( e da cidade) e em noites de show sacode a juventude portoalegrense.
[
33. Cidade Baixa
HISTÓRICO - CIDADE BAIXA
***
1870
***
A delimitação atual do bairro Cidade Baixa abrange as avenidas Praia de Belas, Getúlio Vargas, Venâncio Aires, João Pessoa e parte da Borges de Medeiros. A "Cidade Baixa" antiga, contudo, era mais ampla. Compreendia toda a região localizada ao sul da Rua Duque de Caxias.
***
Rua Venâncio Aires - 1880
***
Apesar de projetos de arruamento terem sido propostos desde 1856, boa parte da Cidade Baixa permaneceu desabitada por vários anos, principalmente o trecho entre as atuais Venâncio Aires e Rua da República, conhecido pelo nome de "Emboscadas". Consistia em um terreno baixo e acidentado, cortado por árvores e capões, que dificultavam o trânsito e facilitavam os esconderijos. O lugar abrigava tanto escravos fugidos como bandidos e caracterizava-se como "uma zona de meter medo aos mais valentes", segundo Ary V. Sanhudo.
***
Vista da Rua do Arvoredo (atual rua Fernando Machado)
***
A implantação das linhas de bonde de tração animal, através do Caminho da Azenha (Av. João Pessoa) e da Rua da Margem (João Alfredo) contribuiu para a urbanização do local. A antiga Rua da Margem era atravessada por várias ruelas — todas chamadas becos — que se tornaram célebres por seus nomes exóticos: Beco do Vintém, Beco do Curral das Éguas, Beco dos Coqueiros e Beco Ajuda-me a viver!...
***
Estação Riacho junto ao Arroio Sabão - 1901
***
Na década de 1880 novas ruas foram inauguradas, imortalizando os nomes dos vereadores Lopo Gonçalves e Luiz Afonso. A atual Joaquim Nabuco também foi oficialmente aberta nessa época, batizada de Rua Venezianos, pois sediava o famoso grupo carnavalesco. O carnaval da Cidade Baixa era reconhecido e prestigiado na época, com destaque para os coros que movimentavam as ruas.
***
Av. João Pessoa junto a rua José Bonifácio, década de 1910
***
O bairro acabaria se notabilizando pela existência de uma "classe média singularmente diferenciada". Composta por famílias que "ainda botavam cadeiras nas calçadas", assistiam às matinês do cinema Capitólio e freqüentavam os armazéns em busca de "secos e molhados". Essa "atmosfera" característica, segundo Carlos Reverbel, definia exemplarmente a vida na Cidade Baixa.
***
João Pessoa, junto ao Parque Farroupilha - década de 1960
***
[
34. Farroupilha
[
35. Santa Cecília 
[
36. Jardim Botânico 
[
37. Bom Jesus 
[
38. Jardim do Salso 
[
39. Jardim Carvalho 
[
40. Protásio Alves 
[
41. Arquipélago 
Arquipélago, Foi Composto por 16 Ilhas, o Arquipélago é um dos bairros mais peculiares de Porto Alegre. Além da condição natural da localização, com sua extensa área verde e biodiversidade, os motivos da sua especificidade também estão ligados à vivência íntima de seus habitantes com as águas, que adaptaram seus modos de vida às condições naturais da região, transformando a natureza para ali constituírem locais de moradia e formando uma cultura própria dos ilhéus.
***
Ilhas do Delta
***
A primeira ocupação das ilhas do Arquipélago, conforme indícios
arqueológicos, data do século XVI, e seus primeiros habitantes eram índios guaranis.
Com a ocupação do Rio Grande do Sul, os índios obrigaram-se a buscar outras regiões do Estado.
***
Segundo os moradores antigos do Arquipélago, no século XVIII as ilhas Saco do Quilombo, Maria Conga também chamada Ilha do Quilombo (atual Ilha das Flores) e Maria Majolla abrigaram ancestrais escravos. A presença de quilombo nas Ilhas é 7 assunto ainda pendente de estudo aprofundado, porém documentos da Câmara do século XIX comprovam a presença de população negra na Ilha em 1810, e dá indícios que sua ocupação seja anterior a esta data.
***
Delta
***
No início do século XIX, as Ilhas abasteciam o centro da cidade com seus
produtos, principalmente capim, hortaliças e peixes. Mas, a partir do final deste século, a pesca foi a principal atividade econômica dos ilhéus. Foi assim até meados de 1970: a pesca era artesanal e abundante, sendo o barco o meio de transporte por excelência.
***
O processo de desenvolvimento urbano da cidade altera o modo de vida de seus habitantes, como a construção da ponte do Guaíba que, paulatinamente, diminui o uso do transporte fluvial. Por sua proximidade e facilidade de acesso ao Centro da cidade, houve significativo aumento populacional, sendo que as com maior número de habitantes são: Ilha da Pintada, Ilha Grande dos Marinheiros, Ilha das Flores e Ilha do Pavão. Nesta última, funciona uma das sedes do Grêmio Náutico União, tradicional clube de Porto Alegre. Das dezesseis ilhas que compõem o Arquipélago, a Ilha das Garças pertence ao município de Canoas, e a Ilha das Figueiras, ao município de Eldorado.
***
Mesmo com todas dificuldades enfrentadas junto ao Arquipélago, especialmente pelos freqüentes alagamentos, seus moradores encontram alternativas de atividades econômicas, como a das catadoras de lixo da Ilha Grande dos Marinheiros, que desenvolvem um importante trabalho de reciclagem, traduzindo-se como fonte de renda e preservação da natureza.
***
Oficialmente, o bairro Arquipélago foi constituído pela lei nº 2022 de
07/12/1959 com um total de dezesseis ilhas. Em 1976, por decreto oficial, o
Arquipélago faz parte do Parque Estadual do Delta do Jacuí e, em 1979, o governo Estadual institui o Plano Básico do Parque com o objetivo de disciplinar a ocupação e evitar a degradação ecológica, e a administração do bairro ficou a cargo da Fundação Zoobotânica.criado pela lei nº 2022 de 7 de dezembro de 1959, fica dentro do Parque Delta do Jacuí, na parte que fica em Porto Alegre.

***
Limites atuais
É formado pela Ilha da Pintada e todas as demais ilhas do Delta do Jacuí, que fazem parte da zona suburbana do município de Porto Alegre.
Colônia de Pescadores
[

42. Menino Deus
HISTÓRICO - MENINO DEUS
***
Capela do Menino Deus, final século XIX
***
Considerado o mais antigo bairro de Porto Alegre, o Menino Deus desenvolveu-se a partir de dois caminhos abertos na década de 1840 em uma região que, exceto por algumas chácaras, “não passava de um cerrado e escabroso mato” . Tais caminhos viriam a se transformar nas atuais avenidas Getúlio Vargas e José de Alencar.
***
Igreja do Menino Deus, de frente a rua 13 de Maio
***
A denominação do bairro originou-se da devoção ao Menino Deus, crença introduzida em Porto Alegre pelos colonos açorianos. A Capela do Menino Deus, inaugurada em 1853 e localizada na praça do mesmo nome, converteu-se em centro de peregrinação em virtude de festas natalinas, que atraíam inclusive moradores do centro da cidade e de outros bairros em formação. As casas erguidas ao redor da Capela e a abertura de novas ruas - como a Botafogo, em 1858 - impulsionaram o desenvolvimento da região.
***
Vista, início século XX
***
Outra evidência do crescimento do bairro é a inauguração, já na década de 1860, de uma linha de transporte público. Tratava-se da maxambomba, veículo de propriedade particular que transportava passageiros em viagens lentas e acidentadas, e que entrou no Menino Deus, em 1º de novembro de 1864, causando comoção generalizada. Apesar da referência, pelo nome, à locomotiva a vapor carioca, tudo indica que a maxambomba era puxada por burros, já que alguns cronistas a qualificam, ironicamente, como “um veículo que de vez em quando parava para dar descanso aos animais, que iam pondo a alma pela boca” .
***
Prado do Menino Deus, início século XX
***
Além das tradicionais celebrações de Natal, realizava-se também no Menino Deus a procissão dos navegantes, antes da construção da igreja da santa protetora dos marinheiros no arraial dos Navegantes. A transferência da imagem da santa para outro bairro gerou sérios desentendimentos e o descontentamento da população do Menino Deus, que perdia assim uma de suas festas mais concorridas.
***
Vista do bairro, década de 1990
***
A ligação do bairro com a Cidade Baixa e o Centro dava-se através da atual Avenida Getúlio Vargas, que tinha seu início na ponte sobre o Arroio Dilúvio, erguida em 1850. As periódicas enxurradas do Dilúvio destruiram a ponte original em 1873 e destruiriam as outras pontes construídas posteriormente. Somente na década de 1940, com a retificação e a canalização do arroio, o problema das enchentes no Menino Deus foi resolvido.
***
***
Com o prolongamento da Avenida Borges de Medeiros, após o aterro da Praia de Belas, o acesso ao Menino Deus foi ampliado, criando-se assim uma nova zona de crescimento para o bairro.
[
43. Azenha
HISTÓRICO - AZENHA


***
Antiga Ponte da Azenha - século XIX
***
A origem do bairro Azenha remete à figura de Francisco Antônio da Silveira, um açoriano que chegou a Porto Alegre na metade do século XVIII e se instalou na margem esquerda do arroio Dilúvio, nas proximidades do atual hospital Ernesto Dornelles. A construção, neste local, por volta de 1760, de uma máquina para moer trigo — uma azenha — transformou Silveira no “Chico da Azenha” e batizou a região.

***
Década de 1930
***
Com seu moinho de roda movido a água, acumulada em uma represa construída no leito do arroio, Silveira converteu-se no primeiro plantador de trigo e fabricante de farinha de Porto Alegre. Suas plantações eram extensas, abrangendo uma área que incluía os altos da Azenha (zona hoje ocupada pelos cemitérios). Para o cronista Ary Veiga Sanhudo, “o Chico da Azenha, muito atarefado em moer o trigo que a freguesia lhe trazia e ainda cuidar da família - 17 filhos - nunca se deu conta que estava fundando um bairro” (1). No entanto, foi exatamente isso o que ocorreu.

***
Década de 1960
***
Tendo em vista o desenvolvimento de suas atividades comerciais, o açoriano ergueu uma ponte sobre o arroio Dilúvio para viabilizar o tráfego entre as duas margens. A estrada que se dirigia desta ponte até o atual centro da cidade ficou então conhecida como o Caminho da Azenha. Atualmente ela corresponde à Avenida João Pessoa e à Avenida da Azenha.

***
***
Nascido em torno do local no qual Silveira se instalou, o bairro acabou por se desenvolver, com o tempo, em direção à região sul da cidade. O surgimento de pequenas estâncias e a construção de casas, bem como de outros moinhos, contribuiu para tanto. O avanço do processo de urbanização, segundo Sérgio da Costa Franco, pode ser evidenciado a partir de 1870 quando um abaixo assinado de moradores solicitou ao poder público a instalação de lampiões nas ruas. Em 1905 iniciou-se o trabalho de calçamento do antigo Caminho, já chamado de Rua da Azenha.

***
Junto a Ponte da Azenha
***
Com sua avenida principal pontilhada por lojas, a Azenha representa atualmente um dos mais importantes pólos comerciais da cidade, visitado diariamente inclusive por moradores de outros bairros. O intenso movimento espalha-se por bares, farmácias, bancos, lancherias, casas de vestuário e de calçados, além das tradicionais lojas de autopeças.

(por Luciano Ávila)
[
44. Santo Antônio
[
45. Partenon
HISTÓRICO - PARTENON
***
Instituto Psiquiátrico São Pedro - Início século XX
***
Há uma certa estranheza quando se ouve falar num Partenon, aqui, em Porto Alegre. Originário de uma realidade tão distante, este nome se refere ao templo grego, erigido sobre um morro ateniense, em virtude da deusa Minerva. E como esse nome veio parar aqui, muitos séculos depois dos clássicos gregos?
***
Tudo começou quando, alguns literatos locais desenvolveram o hábito de se encontrar com certa freqüência. Desses encontros nasceu a Sociedade Partenon Literário, oficialmente fundada em 1868. Sem endereço fixo, perambulavam pelas livrarias e cafés da cidade. Com o seu crescimento e o aumento de prestígio, um ilustre componente deste seleto grupo, propõe a construção de uma sede, onde se realizariam os encontros. É então que um de seus colegas, estupefacto com a idéia, doa algumas de suas terras, e não é que estas se localizavam no topo de um morro! Deslumbrando a paisagem ao sopé do morro, pela Estrada de Mato Grosso ( atual av. Bento Gonçalves ), os membros da sociedade sonhavam em ali construir uma réplica do Partenon grego.
***
Em 1873, onde hoje é a Igreja Santo Antônio do Partenon, foi solenemente lançada a pedra fundamental do templo, e que não passou muito disso. É que discórdias internas foram paralisando o andamento da obra; via-se a necessidade de apoio financeiro. “ Paralelamente, um grande plano de urbanização e loteamento da área encontrava-se em curso.” A intenção deste loteamento era criar na região “ um Éden, aproveitando a natureza exuberante, as fontes d’água e o clima agradável. “
***
Num acordo, o loteamento usufruiria do nome Partenon e a sociedade receberia parte do terreno a ser loteado. Mas em 1899 a sociedade se dissolve e doa seus terrenos a Santa Casa de Misericórdia. Então, do sonho restou o nome, e a comunidade. Esta parece que já andava habitando os arredores deste tumultuado arraial, surgidas ali pela Estrada de Mato Grosso, que é o mais velho caminho de ligação de Porto Alegre a Viamão.
***
As primeiras ruas que geraram as demais, foram a Rua Dr. Caldre Fião, atualmente Rua Paulino Chaves, mas que cedeu seu nome a outra, um pouco mais abaixo da original, e a 18 de junho, dia da fundação da Sociedade Partenon Literário, não existindo mais e não deixando muito registro da sua localização, supõe-se apenas que era a Luís de Camões.
***
Tanto a afirmação do nome, como o próprio desenvolvimento do bairro, deu-se, em princípio, através de uma linha de bonde que para lá se dirigia. O bonde que a esta linha servia, foi apelidado de “ caixa-de-fósforos “, devido ao seu formato e tamanho; era puxado a burros e levava mais de hora para completar seu trajeto, do Centro até o bairro. Com ele vieram os primeiros compradores de lotes, portanto, os primeiros moradores do, agora sim, Partenon. Mas o verdadeiro impulso surge com o Prado Boa Vista, do bairro Santana mas que se avizinhava com o Partenon. Maior movimento, mais moradores. Pois então em 1884, mudam-se para lá 41 alienados , inaugurando os pavilhões do Hospício São Pedro, nome que homenageia a cidade, que chamava-se primeiramente, Província de São Pedro. Com ele, mais uma linha de bonde chega ao local, facilitando o acesso ao arraial.
***
A igreja que hoje ocupa o local destinado ao templo, tem função importantíssima para o desenvolvimento, tanto do bairro Partenon, como o Santo Antônio, já que ambos cresceram e se espalharam ao seu redor. Fundada em maio de 1875, a igreja catalisou muito bem toda a comunidade que se implantava ao seu encosto.
***
Finalmente, em 1910, chega o bonde elétrico, e o crescimento é impulsionado. Desenvolve-se o comércio, fundam-se escolas, melhora-se a infra-estrutura.
“ O Partenon é um bairro industrial, comercial, mas principalmente, residencial. ” Hoje é um bairro próximo do Centro mas que ainda conserva aqueles ares de cidade do interior, calma mas sem deixar de desenvolver seu comércio.
[
46. Vila João Pessoa
[
47. São José
[
48. Agronomia
Prédio da Escola de Agronomia da UFRGS, início de século XX
***
***
Terminal UFRGS
[
49. Santa Teresa
[
50. Teresópolis
HISTÓRICO - TERESÓPOLIS
***
A origem do bairro Teresópolis, segundo a tradição, remonta ao ano de 1876, quando Guilherme Ferreira de Abreu dividiu um terreno de sua propriedade em lotes a fim de assentar algumas famílias de emigrantes italianos. O nome de loteamento seria uma homenagem a seu irmão, Francisco Ferreira de Abreu, médico no Rio de Janeiro e agraciado por D. Pedro II com o título de Barão de Teresópolis.
***
Festa da Uva - início século XX
***
O loteamento, no entanto, localizava-se na Tristeza, e não no atual bairro Teresópolis. Sérgio da Costa Franco, em seu “Guia Histórico” de Porto Alegre, afirma que o arraial de Teresópolis desenvolveu-se a partir da antiga Estrada da Cavalhada, cujo primeiro segmento — hoje Avenida Carlos Barbosa — era chamado, desde 1896, de Avenida Teresópolis. Provavelmente por constituir, antes de 1900, o único caminho até à Tristeza e, conseqüentemente, até à colônia organizada por Guilherme Ferreira de Abreu.
***
***
Os terrenos que iriam dar origem ao bairro foram comercializados, a partir de 1901, pela Companhia Territorial Rio-Grandense, empresa responsável pelo loteamento de áreas em toda a cidade. A atual Praça Guia Lopes — localizada em uma área doada por Maria Luiza Fernandes, esposa de Antônio Manuel Fernandes, ex-presidente da Câmara Municipal - constituiu o núcleo central de Teresópolis, tendo sido batizada originalmente de Praça Dona Maria Luiza.
***
Bonde Linha Teresópolis
***
A partir de 1908 começaram a ser organizadas na referida praça as festas e exposições de frutas, especialmente da uva, que congregavam produtores agrícolas tanto das chácaras de Teresópolis quanto das propriedades da Vila Nova e da Tristeza. Tais eventos objetivavam basicamente a troca de experiências entre os agricultores, a fim de que os mesmos melhorassem suas lavouras. Na exposição de 1910, durante a Festa da Árvore, o primeiro prêmio do concurso coube ao Dr. Campos Velho, “por ter apresentado o melhor e maior conjunto de uvas para mesa e para vinho” .
***
Em 1938, com a remodelação da Praça D. Maria Luiza, as festas deixaram de ocorrer. No período em que se realizaram, contudo, foram responsáveis pela difusão e aperfeiçoamento do cultivo de árvores frutíferas, bem como pela distração e lazer proporcionados aos moradores do bairro.
[
51. Glória
HISTÓRICO - GLÓRIA
***
Cascata da Glória - 1909
***
O arraial da Glória nasceu, no final do século XIX, por iniciativa da família Silveira Nunes, que doou ao poder público um terreno através do qual foi aberta uma via de ligação entre duas estradas paralelas, hoje conhecidas como Av. Carlos Barbosa e Av. Oscar Pereira. Tal via corresponde à Rua Nunes e marcou o início do novo bairro.
***
Abate no Arraial da Glória - 1905
***
A denominação Glória, segundo a tradição, remete à figura de Dona Maria da Glória, esposa do coronel Manoel Py, o proprietário de um sobrado que servia como ponto de referência na região. O historiador Sérgio da Costa Franco afirma, contudo, que o nome foi dado ao bairro por Luiz da Silveira Nunes, em 1890, tratando-se de uma homenagem à “gloriosa” Proclamação da República ocorrida um ano antes.
***
Lomba do Cemitério
***
De acordo com o cronista Ary Veiga Sanhudo, o bairro correspondia a um campo vasto, repleto de árvores de grande porte, antes do processo de urbanização. Uma paisagem resplandescente, capaz de “encantar as mais duras sensibilidades”. Nessa época, o único caminho existente era a Estrada de Belém - que ligava Porto Alegre à povoação de Belém Velho - posteriormente chamada de Estrada da Cascata e, atualmente, de Avenida Professor Oscar Pereira.
***
Vista - década de 1910
***
***
A venda de terrenos por parte da família Silveira Nunes e a conseqüente abertura de novas ruas viabilizaram o crescimento do bairro. Também contribuiu para tanto a inauguração da linha de bondes Glória, em 1896. Nessa época, o coronel Manoel Py - que havia comprado terras dos Nunes e iniciado um loteamento - participava da diretoria da Companhia Carris, circunstância que facilitou a implantação da linha férrea. Um desenvolvimento mais intenso do bairro, todavia, se daria apenas a partir de 1935 quando o serviço regular de abastecimento de água foi implantado.
***
Cascata da Glória - 1909
***
***
Entre 1893 e 1894, em uma área reservada por Luiz da Silveira Nunes, foi construída uma pequena capela que seria substituída, em 1915, pela Igreja de Nossa Senhora da Glória. Tanto a Igreja quanto o Morro da Glória - mais conhecido como Morro da Polícia, com 350 metros de altitude - constituem símbolos permanentes do bairro.
(Luciano Ávila)
[
52. Cel. Aparício Borges
A ocupação da região onde se situa o bairro Coronel Aparício Borges tem suas origens na segunda metade do século XIX. O local onde hoje se encontram oscontigentes da Brigada Militar era conhecido como Chácara das Bananeiras, que foi incorporada ao município em 1855. Também ali se instalaram, após a República, o quartel general da Brigada Militar, bem como sua tropa. A partir de 1916, o Quartel das 30 Bananeiras passou a Centro de Instrução Militar, com curso de Aperfeiçoamento de Oficiais, Curso de Formação de Oficiais e Curso de Sargentos. 
***
O bairro foi criado oficialmente pela lei municipal 2.022 de 07/12/1959, e possui uma área de 278 ha. Sua denominação é em homenagem ao Tenente Coronel Aparício Borges, morto na batalha de Buri/SP, episódio da Revolução Paulista de 1932. O decreto de fundação do bairro está ligado ao crescimento da Avenida Cel. Aparício Borges, que se originou da rua Dois Irmãos. Com a implementação do plano de melhoramentos para as vias do município, na década de 1930, são unidas as ruas Dois Irmãos com o Beco do Lazareto (antigo caminho que ligava Chácara das Bananeiras com a Estrada do Mato Grosso, atual Bento Gonçalves). Um dos objetivos do plano de melhoramentos, era a implantação de faixas de cimento nas vias de penetração radial, bem como de uma grande perimetral, que uniria os bairros da cidade. A Cel. Aparício Borges, elevada à categoria de avenida por lei municipal em 1958, era a principal via de acesso e ligação entre os bairros Partenon, Glória e Teresópolis; atualmente a avenida integra a III Perimetral.
***
Mantendo características residenciais e militares, na avenida que dá nome ao
bairro se localiza a Academia de Polícia Militar, o Regimento Bento Gonçalves e outras dependências da Brigada Militar; a Penitenciária Estadual e, ainda, a Companhia Riograndense de Artes Gráficas – Corag. O bairro Coronel Aparício Borges dispõe de pequeno comércio, escolas e serviços de atendimento de saúde a seus moradores.
[
53. Cristal
HISTÓRICO - CRISTAL
***
Aterro sanitário final século XIX
***
A área que daria origem ao bairro Cristal era ocupada, desde o século XVIII, por algumas chácaras. O impulso para o desenvolvimento da região, contudo, foi a edificação de uma hospedaria para imigrantes, em 1891, por parte do Governo Estadual. Até esta data, o Cristal não passava de uma zona rural e sem comunicação com o centro da cidade.
***
Vista do Bairro
***
A Hospedaria dos Imigrantes, uma grande casa de formato quadrangular, localizava-se na beira do Guaíba, em uma baixada que atualmente corresponde ao terreno do Jockey Club. Em 1899, o Batalhão Bento Gonçalves da Brigada Militar transformou parte da hospedaria em alojamento para seus membros, utilizando-se dos campos adjacentes para treinamento hípico. Assim, o Cristal converteu-se em uma “zona à feição da milícia estadual”, visto que até operações de manobras eram realizadas na região. A construção, em 1907, de uma Enfermaria da Brigada acabou por reforçar esta condição.
***
O nome do bairro, segundo a tradição, deriva da estrutura cristalina da terra, composta por quartzos transparentes oriundos das escarpas dos morros que circundam a região. A incidência dos raios solares fazia com que os fragmentos areníticos brilhassem, ofuscando os olhos dos navegantes que, do meio do rio, avistavam o local. Deste modo, “foi tanta gente a afirmar, de longe, que aquilo era cristal, que Cristal ficou sendo o nome da zona”.
***
***
A Estrada de Ferro do Riacho, percorrendo um trajeto desde a Ponte de Pedras - no Largo dos Açorianos - até à Tristeza, tinha uma parada no Cristal, na frente do alojamento da Brigada. Apesar deste caminho ser utilizado desde 1900, a efetiva integração do Cristal com outros bairros deu-se apenas durante a gestão do Prefeito Alberto Bins (1928-1937), cujo plano viário estabeleceu a ligação entre as avenidas Icaraí e Nonoai, através da pista de concreto da Rua Campos Velho.
***
Em 12 de dezembro de 1959, no mesmo local que servira de quartel para a Brigada Militar e, originalmente, de hospedaria para imigrantes, foi inaugurado o Hipódromo, com uma área de oitenta hectares na qual instalou-se a Sociedade Jockey Club do Rio Grande do Sul. O trabalho de construção durou quase dez anos e exigiu o aterro do Guaíba, que “compulsoriamente cedeu parte de seu leito”, a fim de materializar-se o “milagre do Cristal, uma obra por todos admirada”.
***
Com três pavilhões e duas pistas - uma de areia e outra de grama - o novo Prado valorizou o bairro, contribuindo para seu desenvolvimento.
[
54. Nonoai
O bairro  Nonoai foi instituído enquanto tal, a partir da lei n° 2022 de 07/12/1959. Seuslimites por bairro são: Santa Tereza, Teresópolis, Cavalhada e Vila Nova. O Arroio Passo Fundo, que atravessa o bairro, já não se apresenta como era nas origens da região e, apesar de não ter sido canalizado, encontra-se com um alto grau de poluição, realidade que não é diferente de outros arroios da cidade.
***
O nome do bairro possui origem indígena: Nonoai foi um cacique Caingangue
que, segundo historiadores, teria vivido por 120 anos. Morador do estado vizinho de Santa Catarina no início do século XIX, atravessou o Rio Uruguai e se estabeleceu nas proximidades de Passo Fundo (RS), dando nome ao que hoje é a maior reserva indígena do Estado.A avenida Nonoai é um trecho da antiga avenida Cavalhada, antes um remotoacesso à zona sul de Porto Alegre, fazendo parte do mapa da cidade desde 1888. Já a avenida Nonoai data de 1916. Atualmente, a avenida Cavalhada atravessa os bairros Teresópolis, Nonoai e Cavalhada.
***
O bairro possui, vários núcleos habitacionais em seu território como a Chácara
Sperb, Chácara Menezes e a Cidade Jardim. O bairro é constituído basicamente por casas, algumas muito antigas, além de raros edifícios mais altos fazendo parte de sua paisagem. Na avenida Nonoai, encontra-se a SPAAN (Sociedade Porto Alegrense de Auxílio aos Necessitados), asilo inaugurado em 1931, que abriga em média 140 pessoas na faixa etária que oscila entre 60 e 100 anos. Um outro espaço tradicional do bairro é o Nonoai Tênis Clube, com sede no local desde 1938, sendo uma alternativa de esporte e lazer, especialmente no verão por suas piscinas. De forma geral, o bairro apresenta um aspecto tranqüilo, não muito distante do centro, e consegue não estar totalmente “contaminado” pela agitação e movimentação de outros bairros, concentrando seu comércio em sua avenida principal.
***
No ano de 2005, o bairro recebeu notoriedade através de um jornal da capital,
em função de uma construção muito antiga que remonta um momento da humanidade que a capital dos gaúchos não viveu. Trata-se se um castelo de duas torres, construído na década de 1920, sobre um aterro de nove metros de altura. Localizado na Travessa Fortaleza pertence aos irmãos Ernesto e Luiz Leiner e, desperta muita curiosidade por quem passa na região, constituindo-se em ponto turístico do bairro Nonoai.

55. Cascata
Devido à criação da Companhia Carris Urbanos, em 1893, aconteceu o
reordenamento das linhas de transporte na cidade. Assim, os bondes do Cascata, então 20 tracionados por burros, eram carros que, segundo relato da época, “poderiam andar para frente e para trás, mudando-se apenas os animais de lugar”.
A principal via de acesso ao bairro era a antiga Estrada de Belém, que ligava a
região central de Porto Alegre à povoação de Belém Velho, fundada por volta de 1830.
***
Depois de ter vários nomes (Estrada da Cascata, Avenida Cascata), finalmente a via foi rebatizada com o nome de Avenida Professor Oscar Pereira, ex-diretor do Sanatório Belém, que tratava tuberculosos.
***
O povoamento do local se acelerou a partir das décadas de 50 e 60, com a
abertura de novos acessos à região (vindos do que hoje são os bairros Vila Nova e Belém Velho), bem como pela instalação de meios de transporte mais eficientes e abrangentes, penetrando pelos morros mais íngremes, atendendo a uma das mais freqüentes reclamações dos moradores do bairro. A essa altura, a ocupação, antes restrita às cercanias da Avenida Prof. Oscar Pereira, passou também a ocorrer nas encostas dos morros da Polícia e do Cascata, através do loteamento dessas áreas.
***
O bairro Cascata foi criado pela lei 2681, de 21 de dezembro de 1963, onde boa parte de seu território era conhecida como Glória. Assim, este bairro recém criado tinha uma estreita relação com os demais que formavam a Grande Glória (Glória, Medianeira e Coronel Aparício Borges).
***
Ainda que haja atualmente no Morro da Polícia uma atividade turística, com
trilhas que proporcionam aos visitantes imagens panorâmicas de toda a região sul de Porto Alegre e uma visão geral do Guaíba, sua exploração econômica (seja pela instalação de pedreiras, hoje já desativadas, seja pela implantação de antenas de TV) tirou um pouco do aspecto tranqüilo e campestre do bairro.
***
A origem do nome “Cascata” é baseada, provavelmente, pelo relevo montanhoso da região, fazendo com que os arroios que nascem nos morros tenham várias pequenas cascatas, como o Arroio Águas Mortas, que surge no Morro da Polícia e desce em direção ao sul, para a Avenida Prof. Oscar Pereira. Posteriormente, este arroio passou por um processo de canalização fechada, salvando-o de problemas de poluição que começavam a se avolumar, devido à progressiva ocupação de suas margens e o depósito de dejetos em seu leito.
***
O relevo da região garante, também, o posto de um dos bairros mais altos de
Porto Alegre, pela presença dos morros da Polícia (286 metros), do Cascata (267 metros), além de ser circundado pelos morros do Pelado (298 metros) e da Pedra Redonda (279 metros), Dessa forma, a hidrografia do bairro é bastante marcante, com 21 arroios que partem do Morro Pelado e correm em direção aos bairros Coronel Aparício Borges e Partenon, assim como outros que vão em direção sul, nascendo no morro da Polícia e indo em direção noroeste, passando por Glória e Medianeira.
[
56. Vila Assunção
HISTÓRICO - VILA ASSUNÇÃO
***
Barca do DAER, década de 1950
***
Considerada a primeira praia balnearia da cidade, aos idos anos 40, era muito procurada pelos citadinos como área de veraneio. Ao mesmo tempo que era fora do alcance do tumulto do centro urbano, não exigia uma longa viagem, o que permitia se aproveitar, desde um dia de sol e águas, até um belo fim de semana.
***
Sua mais importante avenida é a Pereira Passos; esta radial não passava de um estreito caminho de acesso ao interior da chácara de José Joaquim Assunção. Primeiro proprietário das terras daquelas bandas, cedeu seu nome, em princípio, à chácara e, postumamente, ao bairro.
***
Pedra fundamental do Clube Veleiros do Sul, década de 1950
***
Esta chácara compreendia quase toda Ponta do Dionísio, sendo de múltiplas funções. Desde o começo, se dedicava à charqueada; depois, seu Assunção, montou lá uma olaria, inicialmente puxada a burros, mas que mais tarde foi a primeira da cidade a ser movida a vapor; tinha um pouco de plantação e outro tanto de criação; e algumas pedreiras. Destas pedreiras saíram as pedras que constituíram o cais do porto de Porto Alegre.
***
Construção do 1º pavilhão da Escola Santos Dumont - 1965
***
A ligação da chácara com a urbe dava-se pelo vapor, que transportava os produtos lá cultivados, para serem vendidos no mercado, próximo ao Mercado Público. Também servia de condução da família e amigos, pois o acesso por terra era mais demorado, feito por carroças, e difícil, pois as estradas que ligavam aquela região às demais, eram precárias e até inacabadas.
***
Inauguração da Escola Santos Dumont - 1965
***
Mas as pedreiras foram que fizeram história daquelas terras de lá. Inicialmente, por elas fornecerem as pedras da construção do cais do porto, o município destinou àquelas bandas, um trem, que tinha como objetivo principal “ de transportar mercadorias e pedras...” mas com esconder das vistas dos moradores da capital, aquelas paisagens; “... sempre arrastava um vagão para passageiros. “
***
Marina Clube Veleiros - 1955
***
De forma não muito feliz, o proprietário tentou instalar em suas terras, uma destilaria de álcool, mas que nunca chegou a finalizar a construção de suas instalações. Isto porque José Assunção tinha um desentendimento com as autoridades, que devia-se pelas insistentes investidas dos governantes em suas terras. O projeto do governo era de transformar a pedreira da Ponta do Dionísio, onde hoje temos o Club Veleiros, em propriedade do Estado e, pior que isso, consideravam o local excelente para ser transformado em asseio público, local de despejos de dejetos.
***
Marina Clube Veleiros - 2000
***
Em 1918, o inquieto José Assunção, falece, diminuindo um pouco a guarda de suas terras aos tantos que a desejavam. Mas só em 1937, a viúva, dona Felisbina, faz um acordo com uma empresa, a Di Primo Beck, que urbanizaria a região, calçando, canalizando a água e puxando a luz, e lhe reservaria uma fatia deste loteamento, para seu uso, além de parte dos lucros. Nasce o bairro Assunção.
***
Aterro na orla - 1955
***
Com melhor infra-estrutura, aberturas de vias de acesso e implantação do transporte público, o desenvolvimento do bairro vai de vento em popa. “ Lugar simpático, cheio de vivendas e bangalôs, na sua maioria rodeados de verdejantes jardins e sombrias árvores, é a Vila Assunção um sítio de descanso às portas da capital.”
***
Ponta do Dionísio
***
Suas ruas são referencias aos primeiros moradores dessas terras, os tupi - guarani, além de homenagear ilustres personagens da nossa história.
***
***
Hoje ainda ele é um bairro pitoresco, de ares suaves e paisagens bucólicas. Talvez por não ser encostado ao centro comercial de Porto Alegre, desenvolveu sua própria vida, tendo no comércio uma área bastante promissora.
[
57. Camaquã
O bairro Camaquã foi oficializado em 07/12/1959 através da lei 2022. Seus
limites por bairro são a Tristeza, Cristal, Cavalhada e Ipanema. Desde sua inauguração, o bairro conta com uma forte atuação da associação dos moradores. Através desta iniciativa, foi possível a realização de alguns projetos pendentes desde o início do bairro, como por exemplo, maior número de escolas e de espaços de lazer.
***
De caráter predominantemente residencial, a região apresenta um grande número de casas, além de condomínios horizontais e edifícios de, em média, três pavimentos. Atualmente o bairro já se encontra bem estruturado em termos de comércio e serviços, possuindo escolas públicas e privadas de 1ºe 2º Graus.
***
O bairro Camaquã situa-se entre as avenidas Wenceslau Escobar e a avenida
Cavalhada, e existem vários pontos de movimentação mais intensa como a Cel. Massot, Camaquã, Cel. Claudino e a Otto Niemeyer, Esta última, fundamental para a integração do bairro com seus vizinhos Cavalhada e Tristeza, foi criada a partir da lei n°1715 de 18/01/1957 e alterada pela lei n°6841. Seu nome é uma homenagem a um comerciante de Porto Alegre, antigo morador do bairro Tristeza.
***
Com ruas muito calmas em seu interior, o bairro caracteriza-se por não ser muito distante do Centro da capital, sendo uma boa opção para aqueles que desejam ficar longe da agitação, mas não completamente isolados dos espaços mais urbanizados de Porto Alegre.

58. Cavalhada
O bairro Cavalhada, segundo o Censo do IBGE de 2000, continha 19.854
moradores, em uma área de 357 hectares. Apresenta-se no sentido norte-sul,
percorrendo uma longa faixa desde o Cristal até Vila Nova e Ipanema.
***
A origem do nome do bairro é bastante remota e remete ao século XVIII, quando o sesmeiro André Bernardes Rangel teve expropriadas suas terras para a constituição de um campo para a guarda da cavalhada pertencente à Fazenda Real, a serviço de Porto Alegre. Por ter atuado por 20 anos com esses propósitos, o local ficou conhecido como Cavalhada D’el Rey ou Campo da Cavalhada. Com a devolução do rincão ao mesmo sesmeiro, a Fazenda Real se transferiu para Viamão. Entretanto, houve denúncias de que André teria conseguido a devolução de uma terra pela qual já havia obtido indenização, mas aquelas terras não voltaram à posse governamental.
***
Assim como a maioria dos bairros da Zona Sul, a Cavalhada sofria com as
dificuldades de comunicação com o centro de Porto Alegre. Os moradores precisavam se deslocar a pé ou por carroças até o bairro de Teresópolis para conseguir embarcar no bonde que partia da região em direção ao Centro. A única via de acesso então era a Estrada da Cavalhada, que abrangia todas as atuais Avenidas Carlos Barbosa, Teresópolis, Nonoai e Cavalhada, ligando o bairro da Azenha ao Ipanema, então uma região praticamente rural. A partir da década de 50, com o asfaltamento da Estrada, se tornaram populares no bairro as corridas de “baratinha” (apelido dado aos carros de corrida de Fórmula 1, pelo seu formato), que percorriam a Rua Otto Niemayer até a Tristeza, passavam pela Pedra Redonda e Ipanema e retornavam pela Estrada da Cavalhada, nas chamadas “12 horas de Porto Alegre”.
***
Com o crescimento urbano, cada trecho da Estrada da Cavalhada foi separado
com uma designação própria, e a Avenida Cavalhada passou a ser assim denominada por lei de 1957. As facilidades de acesso ao bairro proporcionou sobremaneira o desenvolvimento da região, que cresceu vertiginosamente a partir de então.
***
No entanto, com o crescimento do Cavalhada, problemas típicos foram se
acumulando, principalmente a partir da década de 70: o Arroio Cavalhada, um dos mais longos de Porto Alegre (nasce próximo ao Sanatório Belém, em Belém Velho, até desembocar no Rio Guaíba) se tornou extremamente poluído e sujeito a inundações e desmoronamentos em suas margens. Apesar das inúmeras reclamações dos moradores, em alguns pontos do arroio a canalização acabou ficando por responsabilidade dos próprios habitantes, enquanto que em outros a Prefeitura canalizou definitivamente o córrego. Atualmente, o arroio segue com graves problemas de poluição.
***
A presença de instituições de auxílio a populações carentes é marcante, como o Instituto Santa Luzia, entidade de apoio e educação para deficientes visuais, bem como o Cidade de Deus, ligado ao Departamento do Secretariado de Ação Social da Arquidiocese de Porto Alegre, que desde 1960 auxilia a população do bairro na tentativa de melhoras das condições de vida. Fazem parte do bairro grandes loteamentos como Parque Madepinho e Jardim das Palmeiras.
***
A duplicação das Avenidas Cavalhada e Eduardo Prado estimulou a construção de condomínios fechados durante a década de 90, diferenciando uma parte do bairro da antiga conformação, na qual se destacavam prédios de menor porte. Com isso, o comércio, que já se localizava nas principais avenidas do bairro, apresentou um novo crescimento, tornando o Cavalhada praticamente auto-suficiente nesse sentido.
[
59. Vila Nova
Inicialmente denominada Vila Nova d’Itália, a partir de 1894, o espaço recebeu seus primeiros moradores. Tratava-se de famílias trentinas, mantovanesas, cremonesas e de outras regiões da Itália, que adquiriram glebas de terra e as transformaram em chácaras, com plantações de videiras, árvores frutíferas – pessegueiros, pereiras e ameixeiras – e verduras. A uva ali produzida, além de ser utilizada para a fabricação do vinho, era também comercializada nos mercados do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e São Paulo. Enfrentando as dificuldades de ocupação de um terreno com mata virgem, o paulatino esforço da comunidade propiciou a criação de diversas instituições: uma escola em 1897 que, mais tarde, seria a Escola Estadual Alberto Torres; a construção, em 1906 da capela que originaria a Paróquia São José de Vila Nova; em 1911, a fundação de uma Cooperativa Agrícola e uma Caixa de Crédito Rural, que vieram transformar a região e expandir os negócios dos pequenos agricultores da Vila.
***
Por sua considerável produção agrícola, em 1898 tem início a construção de um moinho para a produção de farinha de milho, por iniciativa de um dos primeiros moradores da região Vicente Monteggia. Para tanto, o Arroio Cavalhada, que perpassava o Bairro, foi represado para a canalização da água, que seria a força necessária para o funcionamento de uma turbina hidráulica. A farinha produzida era destinada, principalmente, para o preparo da polenta, prato típico italiano.
***
Em 1912, inicia-se o tráfego ferroviário na Estrada de Belém Velho, que passava pela Vila Nova e, em 1926, foi inaugurado pelo então prefeito Otávio Rocha o ramal que se prolongava da Tristeza à Vila Nova, servindo para o transporte dos produtos coloniais ali produzidos para o mercado central da Capital.
***
Inauguração do ramal - 1926
***
Ruínas do alicerce da ponte de pedra na Vila Nova
***
Nesses tempos, os moradores de Vila Nova possuíam uma convivência muito
fraterna, o que demonstrava a organização de atividades junto às canchas de bochas, de partidas de Três-sete, escova, solo e mora nas mesas dos armazéns da Vila, bem como a organização da primeira Festa da Uva do Rio Grande do Sul, realizada em Teresópolis e que, mais tarde, cedeu lugar à Festa do Pêssego da Vila Nova.
***
Em consonância ao crescimento do urbano em Porto Alegre, a Vila Nova foi recebendo famílias de outras origens, tais quais japoneses, alemães, poloneses e de outras regiões do país. Assim, algumas chácaras foram loteadas, ruas foram abertas, a estrada de ferro e a cooperativa foram extintas e deram lugar a novas residências, lojas, armazéns, supermercados, serralherias, farmácias e o Hospital Vila Nova.
***
Atualmente, o bairro caracteriza-se como residencial que, ainda assim, conserva características de colônia italiana, como as chácaras ainda existentes e as tradicionais festas realizadas na Igreja.
[
60. Belem Velho
Trata-se de um dos mais antigos núcleos habitacionais de Porto Alegre, e a 
denominação “Belém Velho” remete-se ao culto de Nossa Senhora de Belém,
propagado na região por uma de suas primeiras moradoras, Sra. Francisca Maria de Jesus. No ano de 1830 foi construída uma capela, em homenagem a Nossa Senhora de Belém.
***
Com a construção da Igreja, as terras em torno da mesma foram submetidas a
uma nova apropriação, idealizada por funcionários eclesiásticos que redistribuíram os lotes, visando o desenvolvimento da região. Posteriormente, a capela passou pela condição de curato, alçando Belém à freguesia.
***
Na virada do século, Belém Velho passou a ser destinado tanto ao veraneio de famílias que ali possuíam propriedades, bem como local onde eram desenvolvidas atividades agropecuárias. Desta maneira, inexistiu, na época, uma preocupação por parte do poder público em facilitar as vias de acesso ao bairro, que se tornava cada vez mais distante do centro da Capital.
***
Mas, o trem já passou pelo bairro: em 1926, a linha férrea entre o Mercado
Público e a Tristeza foi prolongada até a Vila Nova, passando então a ser utilizada para o transporte de mercadorias produzidas naquele recanto rural de Porto Alegre. Porém, ela teve curta existência: por ser considerada economicamente deficitária, foi desativada em 1932.
***
A partir da década de 1930, três instituições se instalaram no bairro, ligadas à
saúde pública e assistência social – Sanatório Belém, Amparo Santa Cruz e Instituto São Benedito. Estas instituições viriam a influenciar em grande escala a história do bairro, levando muitas pessoas a saírem de Belém Velho, por considerá-lo um bairro insalubre.
***
O bairro abriga, desde o século XIX, o Cemitério de Belém Velho, que foi
encampado em 1992 pela Prefeitura. Possui uma área de 2 ha. Outros pontos que identificam a história de Belém Velho estão a Capela, o antigo casario em frente à praça, a fazenda que pertenceu a Flores da Cunha e a fazenda que pertence à família Chaves Barcelos. Saliente-se que a capela e praça foram tombadas em 1992 pela Secretaria Municipal da Cultura.
***
Apesar da antigüidade do Bairro, a demarcação de seus limites oficiais foi
estabelecida em 1980, pela Lei 4876, fazendo com que grande parte originalmente de Belém, passasse a fazer parte do Bairro Vila Nova.
***
Contudo, em meio a uma crescente população, o bairro Belém Velho continua
sendo um dos bairros de Porto Alegre com menor densidade demográfica e tendo como uma de suas principais características, ainda hoje, o uso produtivo da terra.
[
61. Lomba do Pinheiro
Localizada na região leste de Porto Alegre, fazendo divisa com Viamão, a
Lomba do Pinheiro é heterogênea em sua ocupação: nela convivem núcleos densamente povoados e áreas verdes, de preservação ecológica.
***
1954
***
Inicialmente, a região estava dividida em grandes extensões de terras
pertencentes a famílias de origem portuguesa que cultivavam a terra e criavam animais.
***
Um deles, morador dos mais antigos da região, o comerciante João de Oliveira Remião, é nome da principal rua do bairro. Até meados dos anos quarenta, a Lomba do Pinheiro manteve caraterísticas rurais, e seus moradores comercializavam seus produtos hortifrutigranjeiros no Centro de Porto Alegre. Também existia na região os tambos de leite que abasteciam o bairro e as regiões mais próximas.
***
Os moradores da Lomba do Pinheiro são, na sua maioria oriundos do interior do estado e, a partir da década de 1960 e 1970, passa a receber pessoas de outros bairros da cidade. A região entra no processo de urbanização, quando ruas são asfaltadas, a rede escolar é ampliada, e novos projetos de infra-estrutura são executados.
***
Em 1962, o projeto de lei do vereador Landel de Moura, dá nome ao bairro Lomba do Pinheiro. Oficialmente o bairro foi criado pela lei 2002 de 07/12/1959, porém seus limites foram alterados pela lei 7954 de 08/01/1997 que anexa ao município de Porto Alegre as Vilas que pertenciam a Viamão (São Pedro, Santa Helena, Panorama, Santa Filomena e Bom Sucesso). Atualmente a Lomba do Pinheiro é formada por mais de trinta vilas.
***
Uma das características da Lomba do Pinheiro é a organização comunitária e a
busca de seus moradores por melhores condições de vida no bairro. A necessidade de regularização de terrenos e a busca por melhor infra-estrutura foram as principais influências para a organização das associações de moradores. A primeira delas, fundada em 1956 na Vila São Francisco, conforme alguns moradores, foi a precursora da categoria no Rio Grande do Sul.
***
O bairro destaca-se por sua diversidade cultural, sendo que as associações
comunitárias constituem um espaço político de construção da cidadania, com projetos e atividades que buscam a inclusão social de seus moradores, sobretudo crianças e adolescentes.
[
62. Tristeza
HISTÓRICO - TRISTEZA
***
Pároco - 1965
***
Até o final do século XIX, a região que daria origem ao bairro Tristeza era basicamente rural e despovoada. Abrangia, no entanto, uma área maior do que a ocupada pelo bairro atualmente, pois incluía a Vila Conceição e a Assunção.
José da Silva Guimarães, o mais antigo habitante da região, era proprietário de um sítio localizado na atual Vila Conceição. Adotando o apelido de "Tristeza", posteriormente incorporado ao seu nome, Guimarães acabou por nomear o bairro. A controvérsia em torno do apelido é grande. Diferentes versões procuram esclarecer a causa da tristeza que acometia o morador: a morte dos filhos; a saudade da filha, que se casara precocemente; ou, simplesmente, uma questão de temperamento. Seja qual for o motivo, o fato é que o termo "Tristeza", aplicado ao bairro, acabou consagrando-se.
***
Em 1900, a inauguração da Estrada de Ferro do Riacho - que fazia um trajeto desde a Ponte de Pedras, no Largo dos Açorianos, até a Tristeza (junto a atual praça central da Tristeza) - intensificou o desenvolvimento do bairro. O "trenzinho", como era conhecido, consistia em uma locomotiva pequena que puxava dois ou três vagões. Trafegava três vezes por dia, no verão, e duas vezes, no inverno.
***
Historiadores e cronistas são unânimes ao afirmar que foi em função da linha férrea que a Tristeza progrediu, convertendo-se em zona de veraneio, com um aumento progressivo de habitações construídas. Em 1910, uma nota no Jornal do Comércio sobre o desenvolvimento do bairro faz referência às "confortáveis e excelentes residências de verão", quase todas "em forma de chalé", e de frente para o Guaíba.
***
Outro fator importante para o crescimento do bairro foi a instalação da rede elétrica, em 1923. Acontecimento que oportunizou a realização de uma singular festa do "enterro do lampião", patrocinada pelo Dr. Mário Totta, então presidente do Jocotó, o famoso clube no qual se realizavam os bailes de carnaval da zona sul.
***
Vista do Morro do Osso
***
Era, assim, a Tristeza, na definição de Ary Veiga Sanhudo, "um bairro alegre por todas as tradições e estranhamente triste pelo nome".
[
63. Vila Conceição
Trem Riacho/Pedra Redonda - década de 1930
***
Pedra Redonda - década de 1960
***
[
64. Ipanema
Praia Ipanema - 1952
***
[
65. Aberta Morros
[
66. Restinga
***
Vista 
***
67. não cadastrado
[
68. Espírito Santo
[
69. Guarujá
[
70. Hípica
[
71. Chapéu do Sol
[
72. Serraria
[
73. Ponta Grossa
[
74. Belém Novo
***
Vista Praia do Veludo
***
[
75. Lageado
[
76. não cadastrado
[
77. Lami
[
78. Bom Fim
BOM FIM
***
Colégio Militar - 1900
***
As origens do bairro Bom Fim remetem ao antigo Campo da Várzea, uma área pública de 69 hectares que servia de acampamento para os carreteiros e na qual permanecia o gado destinado ao abastecimento da cidade.
***
***
O campo da Várzea converteu-se em Campo do Bom Fim devido à construção da Capela do Senhor do Bom Fim, iniciada em 1867 e concluída em 1872. Assim, o nome do pequeno templo - por extensão - acabou denominando todo o local. A Avenida Osvaldo Aranha, espécie de marca registrada do bairro, era chamada, até 1930, de Avenida Bom Fim.
***
Até o final do século XIX não houve grandes alterações no local. Poucas casas velhas e algumas chácaras espalhavam-se na região. Todo o resto, segundo cronistas como Ary Veiga Sanhudo,(1) "era bom mato, com excelente caça, onde inúmeras vezes encontravam seguro abrigo os escravos fugidos". Após a Abolição muitos libertos, sem ter para onde ir, instalaram-se na região, que passou a chamar-se - extra-oficialmente - de "Campo da Redenção".
***
Vista - década de 1970
***
Por volta do final da década de 1920, os primeiros membros da comunidade judaica começaram a se instalar ao longo da Avenida Bom Fim. Algumas residências, pequenas lojas e oficinas deram início ao processo de povoamento efetivo do bairro. A diversificação desse pequeno comércio acompanhou o crescimento natural da cidade, vindo o Bom Fim a constituir-se como bairro residencial e comercial, destacando-se as sofisticadas lojas de móveis e o tradicional brique da José Bonifácio.
***
Vista - década de 1970
***
A esse bairro "real", caracterizado ainda pela boêmia e pela intelectualidade, Moacyr Scliar(2) contrapõe, com saudade, o bairro "mítico". O Bom Fim dos emigrantes judeus, de sua infância.
***
Apesar da atual diversidade de moradores, o Bom Fim permanece como símbolo da colonização judaica em Porto Alegre.
(Luciano Ávila)
[
79. Cristo Redentor
[
80. Jardim Lindóia
***
***
[
81. São Sebastião
[
82. Santana
HISTÓRICO - SANTANA
***
No século passado, onde hoje temos o bairro Santana, havia um arraial chamado São Miguel. Não passava de um banhado, cortado múltiplas vezes pelo tortuoso Arroio Sabão. Local ermo, de poucos freqüentadores e de moradores com fama nada amigável, o bairro não passava de umas poucas casas distribuídas pela sua rua principal, a Santana, mas que na época a denominação devia-se a seus moradores, chamava-se Rua dos Pretos Forros ( escravos alforriados).
***
Após a Guerra dos Farrapos, mais para a metade do século passado, a população começou a se interessar pela região, com intenções de habitá-la. Sua proximidade à Várzea ( atual Parque Farroupilha ), onde se localizava o Prado da época, era o atrativo que despertou o local para a cidade.
***
Em 1865, o Visconde da Boa Vista, governador da província, vê necessária a abertura de nova via pública por aquelas proximidades, cortando a Rua dos Pretos Forros e se estendendo até o Riacho; a nova via, carregou consigo o nome de seu criador, Rua Boa Vista.
***
Lentamente se desenvolvendo, estas terras ganhariam, ao final do século XIX, o Prado da Boa Vista, sito à Rua Boa Vista. Era de tamanho suntuoso, tanto que, após sua mudança para os Navegantes, parte de seu território se transformou no campo de futebol do Sport Club Americano, que foi campeão da cidade em 1924,28 e 29.
***
A este tempo, a Rua dos Pretos Forros, que já havia mudado seu nome para 28 de Setembro, em lembrança à Lei do Ventre Livra, desta data, passara a denominar-se rua Santana, remontando a origem da cidade, em homenagem a um de seus primeiros nomes o de Sesmaria do Morro Santa Ana. Recebia também nova nomenclatura a Rua Boa Vista, então Vicente da Fontoura. Era o Santana que se consolidava e começava a tomar a forma de que hoje tem.
***
Logo após estas mudanças, a rua Santana é ampliada, se alastrando para além do Riacho, através de uma ponte sobre ele construída. E é esta obra que possibilita “ a introdução da linha de bondes da Cia. Carris Urbanos, para o Partenon, através do Bom Fim e da rua Santana.”
***
Reafirmando o espírito de comunidade da zona, em 1931 é erguida a paróquia de São Francisco de Assis, padroeiro do bairro e responsável por muitos eventos que lá ocorreram desde então.
***
Não podemos esquecer dos muito alegres carnavais de rua que o bairro desfilou, durante as polêmicas décadas de 60 e 70, invadindo um pouco os anos 80. É um bairro de história, que se organizou, cresceu e desenvolveu. Hoje lá se misturam casas, edifícios e comércio com bastante harmonia, num ponto central.
***
Outros Bairros

Bairro Medianeira, Foi criado pela Lei 1762 de 23 de julho de 1957, com limites alterados pela Lei 4626 de 21 de dezembro de 1979.
Foi o primeiro bairro criado por lei.

O bairro abriga o Estádio Olímpico Monumental, do Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense, que fica nos limites com o bairro vizinho da Azenha. Entretanto, como o acesso se dá por este último - e, para confundir, por uma avenida homônima ao bairro -, muitas pessoas acreditam que o referido estádio fica no bairro Azenha, o que é uma inverdade.
***
Dados demográficos
População/2000: 12428 moradores
Homens: 5620
Mulheres: 6808
Área: 140 ha
Densidade: 89 hab/ha
Taxa de crescimento 91/2000: (-)0,9% aa
Número de domicílios: 4096
Rendimento médio mensal dos responsáveis pelo domicílio/2000: 10,10 salários mínimos


Limites atuais
Rua José de Alencar da rótula desta quando converge com a Av. Érico Veríssimo até a Av. Dr. Carlos Barbosa; Rua Goiás e no prolongamento desta, por uma linha imaginária, seca e reta até a Avenida Prof. Oscar Pereira; desta até a Rua Caldre e Fião; desta até a Rua Marieta; e por esta até a Rua Águas Mortas; desta até a Rua Martim Minaberry; por esta até a Rua D. João VI; desta até a Rua Prof. Oscar Pereira; desta a té a Rua Nunes; desta até a Travessa Irmãos Calvet e desta até a Rua Silva Paes; por esta até encontrar a Rua General Gomes Carneiro; desta até a Rua Catumbí; desta até a Rua Prof. Clemente Pinto; por esta, pela qual se limita com o Bairro Santa Tereza, até a Av. Tronco; desta até a Rua Mariano de Matos; desta pela qual se limita com o bairro Santa Tereza, até a Rua José de Alencar e daí até a rótula com a Av. Érico Veríssimo.

Referências bibliográficas:

FRANCO, Sérgio da Costa. Porto Alegre: Guia Histórico. 2º edição. Porto Alegre: Ed. Universidade/UFRGS, 1992. p. 281-283.
SANHUDO, Ary Veiga. Porto Alegre Crônicas da minha cidade. v. 1. 2º edição. Porto Alegre; Ed. Escola Superior de Teologia, Instituto Estadual do Livro, Caxias do Sul, Universidade de Caxias do Sul, 1979. p. 244-246.
MACEDO, Francisco Riopardense. Porto Alegre, história e vida da cidade. Porto Alegre: Ed. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 1973. p. 193-196.
www.portoalegre.rs.gov.br
http://www.al.rs.gov.br/plen/SessoesPlenarias/49/1998/980916.htm

Colégio Maria Imaculada
http://www.geocities.com/potreiro/cezimbra.html
http://www.cejxxiii.com.br/
http://www.fanaticosporfutebol.com.br/campeonato/noticia.asp?cod1_cod=37338http://www.al.rs.gov.br/plen/SessoesPlenarias/49/1998/980916.htm

Colégio Maria Imaculada
http://www.geocities.com/potreiro/cezimbra.html
http://www.cejxxiii.com.br/
http://www.fanaticosporfutebol.com.br/campeonato/noticia.asp?cod1_cod=37338

3 comentários:

  1. gostaria de obter mais fotos da zona norte,especificamente antigo passo féijo.av.baltazar de oliveira garcia..

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, Muito bom mesmo. Doces lembranças. Parabéns!! H.B.Martins (advg)

    ResponderExcluir