Bem Vindo

- Com esta série não é pretendido fazer história, mas sim é visado, ao lado das imagens, que poderão ser úteis aos leitores, a sintetizar em seus acontecimentos principais a vida da Cidade de Porto Alegre inserida na História.
Não se despreza documentos oficiais ou fontes fidedignas para garantir a credibilidade; o que hoje é uma verdade amanhã pode ser contestado. A busca por fatos, dados, informações, a pesquisa, reconhecer a qualidade no esforço e trabalho de terceiros, transformam o resultado em um caminho instigante e incansável na busca pela História.
Dividir estas informações e aceitar as críticas é uma dádiva para o pesquisador.

- Este Blog esta sempre em crescimento entre o Jornalismo, Causos e a História.
Haverá provavelmente falhas e omissões, naturais num trabalho tão restrito.

- Qualquer texto, informação, imagem colocada indevidamente (sem o devido crédito), dúvida ou inconsistência na informação, por favor, comunique, e, aproveito para pedir desculpas pela omissão ou inconvenientes.

(Consulte a relação bibliográfica e iconográfica)

- Quer saber mais sobre determinado tema, consulte a lista de assuntos desmembrados, no arquivo do Blog, alguma coisa você vai achar.

A Fala, a Escrita, os Sinais, o Livro, o Blog é uma troca, Contribua com idéias.

- Em História, não podemos gerar Dogmas que gerem Heresias e Blasfêmias e nos façam Intransigentes.

- Acompanhe neste relato, que se diz singelo; a História e as Transformações de Porto Alegre.

Poderá demorar um pouquinho para baixar, mas vale à pena. - Bom Passeio.

Me escreva:
jpmcomenta@gmail.com





segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Praias de Porto Alegre


Balneários do Guaíba
A Nossa Praia

Veraneio em Porto Alegre
Orla do Guaíba
Até a década de 1970 foi o auge como:
Rio de Janeiro,
Baixada Santista ou
Florianópolis


E mais: - Com paisagens de natureza exuberante.

- Ao longo da orla de 72 quilômetros de extensão do Lago Guaíba é possível vislumbrar as ilhas e uma cadeia de morros que faz um recorte ondulado no horizonte.
Às margens do Lago, em bairros da Zona Sul da Capital ou nas ilhas do Parque Delta do Jacuí, ou da orla sul, dá para refrescar o corpo e descansar os olhos e a mente nas águas calmas do Guaíba.

A prática de esportes náuticos é uma constante no Guaíba, assim como, o transporte de carga, bem sinalizado junto ao canal central.

As praias de areia grossa oferecem sombra, tranqüilidade, segurança e águas próprias para o banho. Para quem fica na cidade durante os meses de calor escaldante do verão gaúcho, os locais são espaço de lazer para acomodar toda Família.
E não dá para esquecer o famoso pôr-do-sol de Porto Alegre que ganha um encanto ainda maior às margens do Lago, por onde navegam navios, veleiros e barcos de passeio.

Nos balneários de Belém Novo e Lamí, as águas são calmas e sem buracos, a segurança é outra vantagem dos locais.
Nas duas praias durante a Operação Golfinho da Brigada Militar está presente com salva-vidas diariamente das 8h30min às 19h30min.

Águas próprias para o banho

Conforme relatório divulgado em janeiro de 2009 pela Secretaria Municipal do Meio Ambiente (SMAM) e realizado pelo Departamento Municipal de Água e Esgoto (DMAE), todos os pontos das praias do Lamí e Belém Novo estão próprios para banho.

O conceito de balneabilidade está definido na resolução 274/2000 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (CONAMA). A legislação considera a água própria para banho quando, no conjunto das cinco últimas amostras coletadas, apenas uma delas apresentar mais de 800 coliformes fecais por cem mililitros.

Praias da Orla do Guaíba, junto ao Distrito de Pedras Brancas

Praia do Conde, antiga Pedras Brancas, Distrito de Porto Alegre até 1926 (atual cidade de Guaíba).

Praia de Pedras Brancas, antiga Pedras Brancas (atual cidade de Guaíba).

Praia da Alegria, antiga Pedras Brancas (atual cidade de Guaíba).

  Praias da Orla do Guaíba, junto a Porto Alegre, situação em 2013.

Praias do Delta do Jacuí (Junto ao Parque), Poluído e Buracos

Praia do Humaitá (na foz do Rio Gravataí), Poluído e Buracos

Praia das Pontas das Pedras (junto a antiga praça da Harmonia), não mais existe, aterrada pelo porto.

Praia da Ponta da Cadeia, antiga Ponta do Arsenal (junto a Usina do Gasômetro do lado direito), Poluído e Buracos

Praia do Gasômetro, conhecida como Prainha (junto à antiga usina do lado esquerdo), Poluído e Buracos

Praia do Riacho (junto à antiga foz do antigo Riacho), Poluído e Buracos

Praia Pôr do Sol (junto ao palco Pôr do Sol), Poluído e Buracos

Praia de Belas (junto ao Parque da Marinha do Brasil), Poluído e Buracos

Praia do Padre Cacique (junto ao Morro Santa Teresa), Poluído e Buracos

Praia da Ponta do Mello (junto ao Museu Iberê Camargo), Poluído e Buracos

Praia do Cristal (junto ao Morro do Cristal na Avenida Diário de Notícias), Poluído e Buracos

Praia da Ponta do Dionysio (do Clube Regatas Guaíba/POA à Villa Guayba), Poluído e Buracos
- Antigo Porto natural desde o primeiro sesmeiro Dionísio Mendes, junto ao maciço, teve suas praias e enseadas para descarte de lixo, esgoto, e depois explorada como pedreira para a construção principalmente do Cais Mauá. 
Junto ao maciço e a pedreira ficava a Prainha, atualmente (2012) tomada pela Vila Villa Guayba (antiga Vila dos Pescadores).

Praia da Assunção (junto a Villa Assunção), Poluído
- Balneário para as famílias abastadas do final do século XIX e início do XX, onde construíram suas chácaras ou casas de veraneio para usufruir da brisa leve do Guaíba, fugindo do verão quente do Centro da cidade.


Praia da Tristeza, Poluído
- Neste balneário existia a estação Tristeza do trem Riacho/Tristeza para as famílias abastadas aqui chegarem no final do século XIX e início do XX, região de chácaras e casas de veraneio, com seu famoso Clube Jocotó, dos grandes bailes de carnaval e festas movimentadas.

Praia da Ponta dos Cachimbos, Poluído

Praia da Pedra Redonda, Poluído
- Balneário de chácaras e casa de veraneio, ponto final do antigo trem Riacho/Tristeza, até um cassino foi construído para a alegria de seus freqüentadores.

Praia do Sabiá, Poluído

Praia de Ipanema, Poluído
- Com 1.200 metros de extensão, Ipanema é a praia mais popular da cidade, com águas tranqüilas, suas casas de veraneio, sua exuberância em vegetação de Mata Atlântica, sucesso entre as décadas de 1950 e 70, suas águas começaram a perder a balneabilidade na década 1970, o “point” da cidade aos sábados e domingos.
O passeio no calçadão ali estruturado, com a escultura em azulejos “Para Namorar ao Pôr-do-Sol” da artista Maria Tomaseli ou até os “Arcos” onde os visitantes contemplarão o pôr-do-sol por um ângulo privilegiado.
O bom papo o chimarrão, a circulação de pessoas de todas as tribos e intensa e corrente. O bom é aproveitar os bares e restaurantes, junto a Avenida Guaíba de frente para o belo visual do rio Guaíba.
Não se pode esquecer o belo pôr do sol que só Porto Alegre e o Guaíba proporcionam.

Praia do Espírito Santo, Poluído

Praia do Guarujá, Poluído

Praia da Serraria, Poluído

Praia da Ponta Grossa, Poluído
- No morro da Ponta Grossa, região de chácaras de moradia e veraneio, com suas belas praias e enseadas junto às pedras.

Praia do Veludo, Própria ao banho


Praia do Leblon, Própria ao banho

Praia do Belém Novo, Própria ao banho
- No balneário de Belém Novo, na Ponta do Arado, há mais de 20 km do centro de Porto Alegre, também tem praia na margem do rio própria para banho. Com uma população de 14 mil habitantes em toda sua extensão geográfica, além da praia de rio, Belém Novo já está preparado para oferecer aos visitantes serviços públicos básicos como: agências bancárias, lotéricas, farmácias, restaurantes, clínicas médicas, supermercados, delegacia de policia e posto da Brigada Militar.

Salva-Vidas - Praia de Belém Novo
Posto 1 (Leblon) - águas PRÓPRIAS para banho.
Posto 2 (próximo ao antigo Restaurante Poletto) - águas PRÓPRIAS para banho.
Posto 3 (Veludo) - águas PRÓPRIAS para banho.

Praia da Ponta dos Coatis, Própria ao banho

Praia das Garças, Própria ao banho

Praia da Ponta do Cego, Própria ao banho

Praia do Lamí, Própria ao banho
- No balneário do Lamí, de água doce no extremo sul de Porto Alegre, a Praia do Lamí tem extensão aproximada de 1.500 metros e fica na margem esquerda do Lago Guaíba. A população residente de pouco mais de três mil pessoas, chega a dobrar no período mais quente do ano.
No Bairro do Lamí, distante aproximadamente 39 km do centro de Porto Alegre
Para pessoas que gostam de descanso e paz é aconselhável ir no sábado ou durante a semana. Os "foliões" de fim de semana devem ir no domingo, quando o fluxo de pessoas é maior.
Churrascada sob as sombras das árvores que margeiam o lago Guaíba, possui espaço para a prática de esportes, muita música popular, bate-papos e reuniões familiares, todas as tribos se reúnem na praia.
Muvuca da boa!

Salva-Vidas - Praia do Lamí
Posto 1 (extremo sul) - águas PRÓPRIAS para banho.
Posto 2 (em frente à Rua Luis Feula) - águas PRÓPRIAS para banho.
Posto 3 (em frente à Rua José Bernardes) - águas PRÓPRIAS para banho.
Posto 4 - águas PRÓPRIAS para banho.

Para a praia prefira o Verão, mas no Inverno no frio dos pampas com visitas guiadas, prestigie a Reserva Biológica do Lamí.

Tendo disposição pode ir de ônibus partindo da Av. Salgado Filho, Centro de Porto Alegre.
Operada pelo Consórcio STS e Lotação
Para o Balneário de Ipanema
- Linha Serraria
- Linha Ponta Grossa
- Lotação Guarujá

Para o Balneário da Ponta Grossa
- Linha Ponta Grossa

Partindo da Av. Borges de Medeiros, Centro de Porto Alegre.
Para o Balneário de Belém Novo
- Linha Belém Novo
- Linha Lamí
- Linha Lamí Direta

Para o Balneário do Lamí e Praia das Garças
- Linha Lamí
- Linha Lamí Direta

Programa Guaíba Vive

Mas a nova cara da praia é resultado de um longo trabalho de reurbanização da orla e de recuperação da água. Dentro do projeto Guaíba Vive da Secretaria Municipal do Meio Ambientes foram priorizados, ações como a instalação de vestiários, quiosques com churrasqueiras, além da higienização das áreas de praia, permitindo sua utilização em atividades de lazer e recreação.

Também foram realizadas obras de saneamento nos bairros de Belém Novo e Lamí da Zona Sul, com implantação do sistema de tratamento e abastecimento de água e coleta e tratamento de esgotos. Permanentemente são realizados monitoramento da qualidade da água a fim de verificar as condições de balneabilidade, especialmente nos períodos de Verão.

Curta os Balneários e Praias de Porto Alegre

Avenida Guaíba
A Avenida Guaíba, é uma extensa avenida projetada de Porto Alegre, mas fragmentada devido aos obstáculos naturais ou construções irregulares.
Tem seu traçado junto à orla do Lago Guaíba em direção a Zona Sul de Porto Alegre.
Inicia junto a rótula da Avenida Diário de Notícias e o Iate Clube Guaíba, e termina na Avenida Copacabana, junto a casa de José Assunção, na Assunção, inicia novamente junto a Rua (...) e termina 100 mts depois, na Pedra Redonda, inicia junto a Rua (...) em Ipanema e termina na rua (...) na Serraria, segue junto ao Residencial Di Primo Becker, inicia junto a Rua (...) e termina na Rua (...), em Belém Novo.

Navegação, aguateiros, lavadeiras, trapiches, atracadouros, balneário, capitação de água potável e descarte das águas servidas, sempre fizeram parte do diário do Guaíba, no passado com mais ênfase, mas hoje em dia muitas destas ainda são desempenhadas.

Algumas praias desapareceram e outras foram criadas pelos vários aterros feitos junto a orla de Porto Alegre da várzea do Rio Gravataí a Ponta do Dionísio na Vila Assunção.

Praias que não mais existem:

Praia da Alfândega
- Foi a primeira praia da cidade, no porto natural no século XVIII.

Praia do Arsenal
Em frente ao arsenal de guerra ao lado da futura igreja das Dores, desde o início da colonização da cidade, local de banho e retirada de água para beber.

Praia da Ponta das Pedras
- Era localizada no final da Rua da Praia, com muitas pedras no fundo, era a alegria da gurizada nos séculos XVIII e início do XIX.

Ribeira
- Entre o atual Mercado Público, Praça Parobé e Praça Rui Barbosa.

Praia do Riacho
- Esta Praia ficava junto a foz do Riacho (Arroio Dilúvio), muito suja, pelo esgoto, criações, e gado de passagem por suas margens, era coberta a margem por grande quantidade de salseiros.

Praia do Caminho Novo
- Ficava junto a atual Rua Voluntários da Pátria, tinha uma linha de salgueiros no lado das águas e uma sebe de mimosácea espinhosa do outro, a orla bordado de lindas chácaras, de jardins aparatosos. Abundante em flores e frutos, cujos aromas misturados a atmosfera suavizavam o olfato e despertam o apetite. Nestas margens ficava o belo sobrado do governador Dom Diogo de Sousa.

Praia de Belas
- Extensa praia que seguia a orla no Caminho de Belas, no final do século XIX, junto ao arraial do Menino Deus, Nestas margens foram construídos o famoso Solar da Baronesa do Gravatay, incendiado em 1888 e o prédio do Pão dos Pobres, serviu de passagem para a Estrada de Ferro Riacho/Tristeza.

Praia da Santa Teresa
- Entre 1845-1848, foram abertos os eixos de formação do Arraial do Menino Deus (primeiro bairro de Porto Alegre), caminhos entre as chácaras existentes. O único que tinha nome até meados do século XIX.
Esses caminhos que mais tarde se transformaram nas Ruas Treze de Maio (Getulio de Vargas) e Rua Caxias (José de Alencar), davam acesso às bucólicas praias do Guaíba, primeira Estação de Veraneio dos porto-alegrenses.

 Praia do Cristal
- Esta praia existia antes do aterro ali construído, onde hoje está localizado o Hipódromo do Cristal, local de chácaras e estâncias.


O Guaíba no Horizonte da Cidade

Zona Sul de Porto Alegre
Caminho Rumo a Praia 

Via Avenida Borges de Medeiros, ligação do Centro com a Zona Sul da cidade.

Avenida Borges de Medeiros - década 1970

Praia de Belas
No século XIX e início do XX era possível banhar-se junto às margens do Guaíba, desde a Ponta da Cadeia até a Ponta do Mello, depois com a instalação do trem junto a margem, era só atravessar os trilhos e ir para a praia.

Praia de Belas e as lavadeiras - 1910

Praia de Belas e o trilho do trem - 1910


Trem passando na orla da Praia de Belas - 1899

Praia da Assunção
Para fugir do calor do centro de Porto Alegre, foram construídas as primeira casas de verão no começo do século XX na Zona Sul da cidade, no local conhecido como Ponta do Dionísio, Villa Assunção.

Vila Assunção e o horizonte para a cidade capital, hoje próximo

Antes da Ponte do Guaíba, era da Assunção a travessia por barca até a outra margem no município de Guaíba, para se dirigir ao sul do Estado.

Estação de Balças junto ao Daer na Avenida Guaíba.

Algumas maravilhosas casas de veraneio da Villa Assunção:








Praia da Pedra Redonda
Por ser, na época, a melhor praia do Guaíba, a Pedra Redonda atraía muitos turistas, o que levou à construção das famosas vivendas para veraneio.

Final do século XIX

Conforme o historiador Roberto Pellin, “… a novidade da época era fazer um lindo passeio fluvial pelos vapores Guaporé ou Bubi e atracar no trapiche da Pedra Redonda”.


A Pedra Redonda - desde a Ponta dos Cachimbos, na Vila Conceição, até o Morro do Sabiá, em Ipanema - foi adquirida em 1903 por Frederico Guilherme Bier, um rico comerciante de Porto Alegre. Fundador do Banco Pfeiffer, foi também um dos grandes acionistas dos Bancos da Província e Nacional do Comércio. Seu Frederico fazia parte de uma burguesia ascendente que residia em Ipanema no início do século XIX, e, por isso, ficara com os melhores terrenos da região.
Por ser, na época, a melhor praia do Guaíba, a Pedra Redonda, atraía muitos turistas, o que levou à construção das famosas vivendas para veraneio. O local teve seu auge nos anos 1920 e 1930 com o advento do trem que chegava trazendo banhistas até a beira da praia, onde hoje está a Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul (SERGS).
Com direito a hotel, restaurante e cassino, a praia se desenvolveu, tornando-se o point mais concorrido da cidade. Um trapiche foi construído em frente ao hotel de propriedade de Lotário Papis, um fabricante de roupas e gravatas e com o trem, uma linha de vapor também fazia a viagem até a Pedra Redonda, nos domingos e feriados.
A região se tornou zona de veraneio muito antes de Ipanema. Tempos mais tarde, continuou sendo o local preferido para descanso e lazer, pois eram as praias da Tristeza, de Ipanema e da Pedra Redonda, as preferidas pela população. Muitos porto-alegrenses para lá se dirigiam a fim de curtir os banhos no Guaíba e fazer piqueniques às sombras de figueiras centenárias.
Os jovens, especialmente, apreciavam namorar, passear e colher pitangas, entre um banho e outro. Com o calor escaldante de janeiro e fevereiro, os veranistas podiam se refrescar nas águas do Guaíba e usufruir a brisa agradável vinda da Lagoa dos Patos.


A alegria era contagiante durante os veraneios na Pedra Redonda, cujos passeios à orla eram uma constante nos domingos de verão, entre os anos 1940 e 1950 do século passado.

Assim, era a Pedra Redonda de antigamente, um lugar de lazer, de banho e veraneio, um espaço de identidade urbana e de contato dos moradores com o Guaíba.

Nesse calorão de Janeiro e Fevereiro, feliz de quem tem “uma praia pra chamar de sua”.
Pode ser de mar, de rio ou até mesmo de lago, desde que esteja ali - bem pertinho - nos esperando para refrescar e descontrair.


Praia de Ipanema
Nos verões da década de 1970, nos passeios em Ipanema nos domingos pela manhã: vestidos, devidamente calçados e protegidos do sol pelos bonés.


A grande diversão e pretexto se ir a Ipanema eram os passeios de pedalinho, que ficavam junto ao bar/restaurante/boate Taba. Pela numeração deles, se percebe a quantidade de pedalinhos que havia disponível para aluguel.


Não demorava muito para que o passeio de pedalinho se transformasse numa aventura e, de repente:
“Homem ao mar!” Tchibum!
Alguém pulava na água e logo atrás vinham outros.
Objetivo alcançado: andar de pedalinhos, sim, mas tomar banho na praia era tudo de bom.

Década 1970

A folia depois se estendia para a areia com jogo de bola, castelinhos e tudo o que se tinha direito.
Para comemorar tinha o refrigerante Pepsi tomado no gargalo da garrafa, cachorro quente de baldinho inox, bem quentinho (pão, molho, salsicha e mostarda), baleiros, cataventos, algodão doce.
Para os adultos tinham bares e quiosques com mesinhas que se estendiam por quase toda praia, sob as arvores.

Arcos de Ipanema

Às vezes o Guaíba brindava com alguma tartaruga, que era levada pra casa para fazer companhia na semana e depois trazida de volta para ser lançada novamente nas águas de Ipanema. Claro, acreditávamos que ela tivesse sido engordada, fora possivelmente “torturada”, porém, com certeza, “batizada” com um nome carinhoso e muito amada.


Para Porto Alegre, Ipanema é “a nossa praia”.


Praia do Guarujá
Na Praia do Guarujá, logo após Ipanema, em direção a Serraria, tinha um camping (barracas e trailers) administrado pela Prefeitura de Porto Alegre, com toda a estrutura, no verão as pessoas vinham da cidade ou de outros lugares só para veraniar neste camping.
O camping foi desativado na década de 1980, onde foi construído uma grande praça junto a orla do Guaíba.
Da Avenida Guaíba  da Rua Murá até encontrar a embocadura da Estrada do Matadouro, seguindo por esta em direção até encontrar a Estrada da Serraria; desta até encontrar a Rua Murá; desta até encontrar a Avenida Guaíba junto à margem do rio.


Praia de Belém Novo
Em Belém Novo, há mais de 20 km do centro de Porto Alegre, também tem praia na margem do rio própria para banho. Com uma população de 14 mil habitantes em toda sua extensão geográfica, além da praia de rio, Belém Novo já está preparado para oferecer aos visitantes serviços públicos básicos como: agências bancarias, lotéricas, farmácias, restaurantes, clínicas médicas, supermercados, delegacia de policia e posto da Brigada Militar.


Praia do Veludo
Na zona sul da cidade, junto ao Belém Novo, eis um lugar tão lindo e tão desconhecido por muitos porto-alegrenses, com muita vegetação e enseadas.
As pessoas ignoram as belezas do Lago Guaíba.


Praia das Garças
Localizada na Avenida do Lami, 4929, no Bairro Belém Novo.
Balneário com camping, açudes para pesca e túnel verde.
Local para piquenique, churrasqueiras e áreas para descanso.


Praia do Lamí
Uma das opções é a Praia do Lami. Balneário de água doce no extremo sul de Porto Alegre, o Lami tem extensão aproximada de 1500 metros e fica na margem esquerda do Lago Guaíba.


A população residente de pouco mais de três mil pessoas, chega a dobrar no período mais quente do ano.
O Bairro do Lami, distante aproximadamente 39 km do centro de Porto Alegre
Para pessoas que gostam de descanso e paz é aconselhável ir no sábado ou durante a semana. Os "foliões" de fim de semana devem ir no domingo, quando o fluxo de pessoas é maior.
Churrascada sob as sombras das árvores de margeiam o lago Guaíba, espaço para a prática de esportes, muita música popular, bate-papos e reuniões familiares.
Muvuca da boa! - e ainda tem a Reserva Biológica do Lamí.



Prefira o verão, pois o frio dos pampas é de lascar.
Todas as tribos se reúnem na praia, famílias inteiras.
Tendo disposição pode ir de ônibus partindo do centro de Porto Alegre.



Zona Norte de Porto Alegre

Delta do Jacuí
Parque Delta do Jacuí, localizado junto ao desembocadoro dos rios dos Sinos, Jacuí, Gravataí e Taquarí que formam o estuário Guaíba, local nativo, de preservação, suas mais de quinze ilhas, grandes canais e suas maravilhosas mansões.






Zona Sul de Porto Alegre

Trem para a Praia
O funcionamento da locomotiva era um acontecimento. Quando o trem chegava ao ponto final dos trilhos, na praia da Pedra Redonda, o retorno se dava por meio de uma plataforma giratória chamada de redondel. Era uma operação manual feita pela força dos rapazes da Via Férrea e de alguns passageiros mais prestativos. Uma engenhoca para a época, mas que funcionava muito bem, pois permitia que a máquina ficasse virada no sentido bairro-Centro, pronta para a viagem de volta.

Estação Riacho (atual Monumento aos Açorianos) - 1900

Um conceituado comerciante de roupas, mais conhecido por “seu Papis” comprou todo o terreno na beira da praia, onde é hoje a Sociedade de Engenharia do Rio Grande do Sul e construiu lá o famoso Hotel Cassino da Pedra Redonda. O local logo ficou conhecido pelas belas atrações que oferecia a um público seleto, pois além do trem, também chegava ao local o disputado Vapor Porto Alegre, que vinha do centro da cidade e atracava no trapiche em frente ao hotel. Por conta disso, a animação era geral: muita música e diversão que atraía turistas de todos os cantos.

Caminho no Morro da Conceição (zona sul) - 1915

Desta forma, o trem foi fundamental para o sucesso da praia da Pedra Redonda, pois ele trazia o movimento de banhistas, e com eles, a procura por restaurantes, hotéis, tendas de sorvetes e refrescos. A região se tornou zona de veraneio muito antes do Balneário de Ipanema.

Estação Riacho - 1898

Essa foi a história do trem da Zona Sul, ou o trenzinho da Tristeza, como muitos o chamavam, uma locomotiva Maria Fumaça que funcionou regularmente até 1932 e que durante muito tempo percorreu diferentes paisagens e caminhos por uma Porto Alegre Antiga.
Não se ia para tomar banho na praia, e sim para saborear os sorvetes e a gasosa, servidos no local.
O trenzinho, que passava em frente das casas no bairro Cristal. Era o matraquear das rodas nos trilhos, embalando os sonhos das mocinhas românticas à procura de seus pares, quem sabe, antes que o sol se pusesse no horizonte, e o trem retornasse à cidade.

Estação Tristeza


“Em todos os tempos - isto era bom”!


Aproveite "Bem" Porto Alegre!

Agradecimentos ao professor e historiador Harry R. Bellomo pela entrevista concedida em agosto de 2009 e uma homenagem especial à memória de Georgina Tolotti (1915-1999) pelas lembranças do Trenzinho no início do século passado.

2 comentários:

  1. Prezado Jaime
    Esse teu blog está muito bom!
    Gostaria de trocar informações contigo, pois estou pesquisando sobre a zona sul de porto alegre.
    Aguardo contato,
    Andre Huyer
    ahuyer@globo.com

    ResponderExcluir
  2. porque a as prais do rio quaiba nao pode ser dos porto alegre se como era antes basta todos se consentizar que em beira de prais nao deve construir so fazer bela avenida beira toda a orla da uzina do gazomentro ate a praia do lami diviza de viamao bela beira todo rio quaiba seria muito bom para todos os poto alegrese e gauchos de todas fronteiras e tambem para o turismo basta quere um abraço

    ResponderExcluir